Foi suspensa, nesta sexta-feira (18), a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a Casa Civil. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) proferiu a decisão de suspender a nomeação depois do pedido apresentado pelos partidos PSDB e PPS. O ministro afirmou que percebeu a intenção do ex-presidente de fugir das investigações contra ele na Operação Lava Jato. No entanto, a decisão de Gilmar Mendes pode ser contestada e Lula poderá recorrer da suspensão ao plenário do Supremo.

Em uma cerimônia no Palácio do Planalto, Lula e a presidente Dilma Rousseff realizaram a posse do ex-presidente como o novo ministro-chefe da Casa Civil, na parte da manhã de quinta-feira (17), por volta das 11h.

Depois de aproximadamente uma hora, a posse de Lula foi suspensa através de uma liminar expedida pelo juiz federal Itagiba Catta Preta Neto, do Distrito Federal.

O ministro do STF também autorizou, através de uma liminar, que o juiz federal Sérgio Moro continue com as investigações sobre o envolvimento de Lula na Lava Jato.

Na quarta-feira (16), ao saber da nomeação de Lula para Chefe da Casa Civil, o ministro Gilmar Mendes criticou duramente e afirmou que esta seria uma nítida manobra do ex-presidente para fugir das investigações feitas pela Polícia Federal, em Curitiba. Em meio ao processo do recurso da Câmera ao parecer do rito de Impeachment de Dilma Roussef, Gilmar afirmou que a vinda de Lula para o primeiro escalão estava deixando a Suprema Corte "muito mal". O magistrado ainda disse,  mais cedo, nesta quinta-feira (17), que as ligações entre a presidente e Lula, que foram digualdades por Sérgio Moro, revelam crime de responsabilidade, podendo dar sustentação ao recurso de impeachment da presidente Dilma Roussef.

Os melhores vídeos do dia

A conversa entre a presidente e o petista foi interceptada pela Operação Lava Jato. A divulgação do áudio foi autorizada pelo juiz Sérgio Moro, na quarta-feira (16), após a nomeação de Luiz Inácio Lula da Silva a ministro-chefe da Casa Civil. De acordo com os investigadores da operação, a presidente Dilma tentou, com a nomeação, parar com as investigação e assim evitar uma possível prisão de Lula.