Preso desde junho de 2015, acusado de associação criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção ativa, Marcelo Odebrecht, ex-presidente da maior construtora brasileira, foi condenado pelo juiz Sergio Moro a 19 anos e 4 meses de prisão. A mesma pena foi dada a dois ex-diretores da Odebrecht, Márcio Faria e Rogério Araújo. Foi também estabelecida uma multa no valor de R$ 108.809.565,00 e mais 35 milhões de dólares, a ser paga pelos executivos ligados à empresa e Renato Duque, ex-funcionário da Petrobras.

De acordo com Moro, este valor seria o mínimo aceitável para indenizar a estatal pelos crimes cometidos.

Até agora Marcelo se negou a fazer acordo de delação, porém, com a condenação, especula-se que decidirá contar o que sabe. Além dele, outros ex-funcionários da Odebrecht, também condenados, ameaçam fazer o acordo. Para que seja válida a delação, Marcelo deverá apresentar novos fatos e provas, e é aí que entra o ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff.

Lula, que está sendo investigado por tráfico de influência no Brasil e no exterior, envolvendo a Odebrecht e outras empreiteiras, crime que teria sido praticado durante seu mandato, e é suspeito de ter recebido vantagens indevidas durante e depois que deixou a presidência, mais uma vez pediu que sejam retiradas as acusações. Já para Dilma o problema se concentra nas doações de campanha, em torno de 16 milhões de reais, dinheiro lavado, que seria proveniente da Petrobras.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato

O que já foi provado

Em nove meses de investigação, a Operação Lava Jato reuniu provas sobre a atuação de Lula junto a Odebrecht. João Santana, conselheiro e marqueteiro de Lula e Dilma, foi pago "por fora", por ordens diretas de Marcelo. Também o esquema de pagamento de propina com a finalidade de obter contratos da Petrobras foi comprovado.

O que faria Marcelo Odebrecht mudar de ideia

Depois que o Superior Tribunal Federal mudou as regras, acordos de delação premiada passaram a ter ainda mais importância.

A partir de agora, o condenado em segunda instância já começa a cumprir pena, mesmo antes de serem julgados outros recursos na Suprema Corte.

Caso mude de ideia, o que Marcelo tem a dizer pode ser a enxurrada que faltava para levar consigo o governo e o ex-presidente.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo