A Polícia Federal fez buscas hoje (04/03) na casa do ex-presidente Lula, para cumprir mais uma fase da Operação Lava Jato, a 24ª. Além do petista, também o seu filho, Fábio Luíz Lula da Silva – que é popularmente conhecido pelo apelido de ‘Lulinha’, foi conduzido na operação. Essa nova fase, chamada de 'Aletheia' (palavra grega que significa, no português, a ‘verdade’, ‘não oculto’, ‘realidade’ ou ‘revelado’), fará apurações sobre o fato de algumas empreiteiras e também o pecuarista José Carlos Bumlai, terem feito algum favorecimento ao ex-presidente Lula através do sítio em Atibaia e um tríplex no Guarujá, no estado de São Paulo.

Na operação, Lula é alvo de condução coercitiva (que acontece quando um investigado torna-se a ser obrigado a fazer depoimento), e também de mandado de busca e apreensão, na qual os Policiais Federais vasculharam a casa do petista, em São Paulo, nessa manhã, em busca de possíveis provas que ajudem no encaminhamento da Operação Lava Jato.

O petista foi levado para o Aeroporto de Congonhas no carro da PF, escoltado por mais outros quatro carros, que no total, transportam dez agentes.

De acordo com a Folha de São Paulo, os advogados do ex-presidente Lula já tinham elaborado um habeas corpus e entraram com ele na Justiça para que se pudesse evitar tal medida na casa do petista, no entanto, ele valia apenas para São Paulo, e o mandado ocorreu através do Juiz Federal, Sergio Moro, que reside em Curitiba, de onde foi despachada a ação.

De acordo com informantes que estavam no momento da ação da Polícia Federal na casa do ex-presidente Lula, nessa manhã, o petista reagiu tranquilamente à ação. No início, a sua mulher, Marisa, abriu a porta para os policiais que entraram e realizaram o procedimento sem muitas dificuldades. Os carros da PF chegaram à porta da casa já às 6h, em São Bernardo.

Os melhores vídeos do dia

Cerca de dez agentes ficaram na portaria, enquanto alguns carros entraram na garagem do prédio. Ainda segundo informação, a esposa de Lula não se encontra sendo conduzida nessa operação.

Já onde reside Lulinha, Moema, foram enviados um carro da Receita Federal e dois carros da Polícia Federal que chegaram à casa dele no mesmo horário. Apesar de não ter falado com a imprensa, moradores afirmam que houve grande movimentação dentro da residência por parte dos policiais.