Foi pedida a prisão preventiva ao petista no fim da tarde dessa quinta-feira, 10, pelo Ministério Público de São Paulo, onde foi denunciado por lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

O pedido é de prisão preventiva e cabe habeas corpus para evitar o encarceramento, bem como ainda depende de autorização de um juiz do TJ de SP, uma vez que o pedido foi feito por promotores. A assessoria oficial do petista ainda não se pronunciou, mas jornalistas já começam a se aglomerar em frente a casa do ex-presidente do Brasil.

Além da prisão de #Lula, os promotores também pediram a prisão do ex-tesoureiro do #PT João Vaccari Neto, do empreiteiro da OAS Léo Pinheiro e de mais dois investigados que até o momento não tiveram o nome divulgado para a imprensa, mas que são investigados do caso Bancoop.

A denúncia que Lula responde pelo MP-SP é fruto de uma longa investigação realizada pelos promotores Cássio Conserino e José Carlos Blat. Vale ressaltar que essa denúncia nada tem a ver com as investigações da Operação Lava Jato, coordenada pelo juiz federal Sérgio Moro, do qual Lula pode responder por lavagem de dinheiro, improbidade administrativa e peculato, se comprovadas as acusações contra ele.

A ex-primeira dama Marisa Silva e o filho do casal Fábio Luiz Lula da Silva, também estão na mira das investigações. Para defender-se, Lula apresentou defesa escrita em que alega não ser o dono do Triplex reformado pela OAS no valor de R$777 mil entre abril e setembro de 2014.

Fuga da Lava Jato?

A colunista Mônica Bergamo divulgou essa semana que parlamentares petistas querem que Lula se torne ministro afim de obter foro privilegiado.

Os melhores vídeos do dia

Uma matéria do Terra disse que o ex-presidente comunicou que não tem pretensão de assumir cargo de ministro atualmente, entretanto, desde a delação de Delcídio noticiada na última quinta-feira, 3, Lula ficou mais próximo do governo e tem se encontrado com Dilma, que também foi citada na delação.

Desesperados, militantes petistas invadiram um grupo de apoio ao juiz Sérgio Moro no Facebook, como estratégia para fazê-los desistir das manifestações, mas estas, por sua vez, ganharam mais força. #Justiça