Que o deputado Jair Bolsonaro tem um gosto pela polêmica, já sabemos. Suas declarações controversas fazem parte de sua política, sob a justificativa da imunidade parlamentar. Aparentemente, não há limites para o que ele pode falar, algo que se comprovou em sua votação, no último domingo (17), a favor do Impeachment da presidente.

Bolsonaro e seu filho, Eduardo, também deputado, dedicaram seus votos aos militares que destituíram o presidente João Goulart em 1964.

Contudo, o primeiro foi mais além: parabenizou Eduardo Cunha e homenageou a memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, chefe do DOI-CODI em São Paulo e notório torturador durante o regime militar.

A menção a Ustra pode ser vista como provocação à presidente, uma vez que Bolsonaro ainda o caracterizou como "o pavor de Dilma Rousseff". Sua declaração resultou em indignação nas redes sociais, fazendo com que emergisse a história do coronel que, declarado pela Justiça como torturador, foi também acusado de perseguição, ameaça de morte e ocultamento de cadáver, estando relacionado a 60 casos de desaparecimento e morte em São Paulo.

Entre os métodos usados por ele, além do pau de arara e eletrochoque, estava a prática de inserir ratos nos genitais das mulheres presas. Em suma, Ustra não é somente o pavor de Dilma, mas de toda uma nação submetida à ditadura.

Além de sua declaração a favor da tortura, o deputado disparou insultos pessoais a Jean Wyllys no momento em que este votava. Segundo Wyllys divulgou em sua própria página do Facebook, Bolsonaro gritava impropérios como"veado", "queima-rosca", "boiola", entre outros, durante o momento da votação e, ao se retirar, notando que alguém procurava agarrar seu braço - provavelmente Bolsonaro ou alguém que estivesse com ele -, virou-se e cuspiu em direção ao deputado que o havia provocado.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula

As notórias tentativas de provocação de Jair Bolsonaro, diga-se de passagem, acontecem há bastante tempo, grande parte delas direcionadas aos homossexuais e, consequentemente, a Jean Wyllys, reconhecido por sua luta a favor das minorias e dos direitos LGBT.

Como foi o caso dos comentários de Bolsonaro, a reação de Wyllys também dividiu opiniões. Enquanto alguns acharam a cuspida um ato desmedido (como declarou o próprio Bolsonaro), outros se sentiram "de alma lavada" por essa que se tornou uma cusparada simbólica.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo