Capturado na sexta-feira (01), em uma das fases da operação Lava-Jato denominadade 'Carbono 14', o empresário Ronan Maria Pinto depôs para a Polícia Federal em Curitiba, nesta segunda-feira (05), alegando não ter participado dos esquemas de Corrupção em 2001, na cidade de Santo André, São Paulo. Declarou também que não se envolveu emchantagens dosex-ministros, Gilberto Carvalho e José Dirceu,nemdo ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, logo após o assassinado do ex-prefeito petista, Celso Daniel, que ocorreu em janeiro de 2002.

Uma das descobertas dessa fase da operação Lava-Jato, foi um empréstimo feito pelo pecuarista José Carlos Bumlai em 2004, pelo Banco Schahin, no valor de 12 milhões de reais, dos quais,metade foi entregue a Ronan, que é dono do jornal "Diário do Grande ABC", localizado na cidade de Santo André. O empresário, que também é dono de empresas no setor de transportes e coleta de lixo, diz não ter conta bancária pessoal e negater recebido dinheiro vindo de "origem política". Eleafirma que movimenta recursos pessoais em contas jurídicas e que sempre fez dessa forma. Dissetambém que pegou 4 milhões de reais de uma outra empresa para poder comprar o jornal, em 2004.

'Malabarismo financeiro'

O juiz federal Sérgio Moro utilizou da expressão "malabarismo financeiro" para referir que o encarregado do mensalão, Marcos Valério Fernandes de Souza, repassou ao empresário Ronan a quantia. Sérgio Moro associa a corrupção na prefeitura de Santo André ao caso de homicídio do ex-prefeito Celso Daniel, dizendo que essa relação é possível e torna o caso muito mais grave.

O considerado "malabarismo" aponta para o juiz que o empréstimo passou pelas mãos do pecuarista Bumlai, depois pelo Frigorífico Bertin, e tambémpela Remar Assessoria,quando, enfim, chegou a Ronan Maria Pinto.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Lula

Foram realizados contratos, um deles com a empresa controlada por Marcos Valério, chamada 2S Produções, para disfarçar o pagamento de propina. Já, segundo a versão do empresário, o jornalista Bruno Altman teria apresentado a empresa Via Investe para fazer o empréstimo, mas quem acabou fazendo foi aRemar Assessoria.Ronan diz que foi feito um contrato e que o empréstimo de 6 milhões de reais foi dividido em parcelas de 319 mil reais mensais, o que não teria sido, segundo Ronan, para a aquisição do jornal.

O doleiro Erivaldo Quadrado afirma ter guardado uma cópia do contrato com a 2S Produções e aRemar Assessoria,dizendo que isso seria um"seguro de vida contra Lula e o PT".Ronan Maria Pinto nega ter conhecimento do empréstimo de Bumlai e nem que o mesmo seria para finspolíticos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo