Anúncio
Anúncio

Na última sexta-feira, dia 1º, Cid Gomes, ex-ministro da Educação de Dilma, a surpreendeu em Brasília. Sem entender a vinda do seu ex-subordinado ao Palácio do Planalto, a presidente foi bombardeada com o pedido do ex-governador para que seu irmão, Ciro Gomes, pré-candidato pelo PDT para sucedê-la na Presidência, em 2018, ocupasse o ministério da Saúde. Ela até que tentou rebatê-lo, mediante o argumento de que a sua atual sigla, o PDT, já tinha a pasta das Comunicações. Diante da insistência e mediante os acontecimentos que a fragilizam politicamente, a petista aceitou reunir-se com o possível postulante a substituir o médico Marcelo Castro, indicado pelo PMDB nesta segunda-feira, dia 4.

Tanto Cid quanto Ciro Gomes são notórios aliados de Dilma e engrossam a fileira dos apoiadores da presidente na luta contra o processo de impeachment.  Neste sentido, ambos já se movimentam na busca de apoio para manter a petista no poder.

Anúncio

A ida de Cid ao Palácio não foi motivada pelo pedido que o mesmo havia protocolado contra Temer no mesmo dia. O ex-governador quis interpelar pessoalmente Dilma sobre a ida de Ciro para o ministério da Saúde. O argumento que neutralizou a resistência inicial da presidente foi o fato de que Ciro Gomes reúne toda a autoridade necessária para convencer o maior número de deputados do partido a votarem contra o impeachment.

Nesta mesma conversa, Cid Gomes colocou em xeque o cargo de André Figueiredo, ministro atual das Comunicações e companheiro da chapa dos irmãos Ferreira Gomes, em troca da Saúde. Ele adiantou que teria o aval de Carlos Lupi, atual presidente do PDT e também ex-ministro de Dilma. 

Ciro Gomes quer ocupar o BNB

Além da Saúde, o outro assunto que deverá ser tratado com Dilma será a ocupação de cargos indicados por Ciro no Banco do Nordeste (BNB).

Anúncio
Os melhores vídeos do dia

Neste sentido, os Ferreira Gomes irão pressionar Dilma de forma conjunta. Ciro Gomes quer colocar Paulo Henrique Lustosa (PP-CE), suplente de deputado federal, na presidência do banco. Sabe-se que o atual, Marcos Holanda, foi indicação do senador Eunício Oliveira (PMDB -CE), principal inimigo político de Ciro.

Na reunião do Conselho de Direção do BNB, que será realizada hoje, dia 4, a dupla pedetista vai coroar a indicação de Eliane Brasil, no cargo de direção administrativa da instituição. A mesma  já ocupou cargos de superintendência e de gerência ao longo dos anos. No cargo, a funcionária de carreira vai ser a responsável por administrar todos os contratos da instituição, assim como pela licitações.

Anúncio