A presidente da república, Dilma Rousseff, participou, nessa terça-feira (26), de uma cerimônia de entrega de chaves de 5.293 moradias do programa Minha Casa, Minha Vida aos moradores de cinco cidades do estado da Bahia.

Durante a cerimônia, ela discursou durante mais de trinta minutos e fez duras críticas sobre o seu processo de Impeachment, que começou a ser julgado hoje, no Senado.

Dilma afirmou que as acusações que pesam contra ela sobre as “pedaladas fiscais” existem entre presidentes da república, desde 1994. “Sou acusada de algo que é praticado desde 1994. Eles têm acusação, eu não tenho. E o pior, é que quem me julga nesse processo é corrupto.

Todos sabem que o presidente da câmara tem contas no exterior”.

Dilma afirmou que querem sentar na cadeira de presidente sem voto

Em seu inflamado discurso, Dilma criticou, (sem citar o nome do vice-presidente Michel Temer), mas fazendo uma menção clara ao peemedebista.

“O que eles querem é sentar na minha cadeira sem voto. Fazer isso é confortável, pois não terá que prestar conta ao povo e dizer o que será feito dos programas sociais”.

A presidente também afirmou que um presidente deve ser julgado por aquilo que ele pode fazer para a população e citou os programas sociais que foram criados no seu governo, afirmando que os programas sociais, sempre foram prioridade em seu governo.

“No meu governo, foram criados o Minha Casa, Minha Vida, o Bolsa Família e também foi garantido atendimento médico para pessoas que antes não tinham”.

Os melhores vídeos do dia

Dilma também afirmou que nunca recebeu propina em sua carreira política

No final de seu discurso, a presidente voltou a afirmar que está sendo vítima de um golpe de estado e que em toda a sua carreira política, ela nunca recebeu propina e muito menos praticou nenhum crime.

“Por que eles insistem em dizer que não é golpe? Em toda a minha carreira nunca recebi dinheiro de propina, nunca tive contas no exterior e não sou acusada de nenhum crime de corrupção”.

Ela também fez questão de agradecer aos eleitores baianos pelos votos na última eleição e citou o nome dos 24 deputados federais que votaram contra a continuidade do processo de impeachment na Câmara.

“Foi o maior número de votos que obtive em toda a federação”.