A presidente Dilma tem se mostrado disposta a fazer de tudo para se livrar do Impeachment e entre as atitudes tomadas para conseguir apoio está uma que chamou a atenção, que foi o sancionamento da lei que autoriza a produção e comercialização da "pílula do câncer". O medicamento ainda não tem registro da ANVISA, mas a petista teve pressa em liberar a autorização no intuito de conquistar maior apoio dos brasileiros para continuar na presidência da República.

Publicidade
Publicidade

Estudos científicos ainda não confirmaram a eficácia da fosfoetanolamina sintética para combater o câncer, mas a decisão da presidente já está inclusive no Diário Oficial da União desta quinta-feira (14).

A autorização para liberar a "Lula do câncer" partiu da própria Casa Civil, que aconselhou Dilma a tomar esta decisão para não ter sua imagem ainda mais desgastada e consequentemente, vir a perder votos bem às vésperas da votação na Câmara que decidirá pela realização ou não do seu impeachment.

Publicidade

O projeto de lei autoriza as pessoas que têm câncer a usarem a fosfoetanolamina por sua própria decisão, desde que o paciente assine um termo de responsabilidade, ciente de que as pesquisas científicas ainda não foram concluídas e que o medicamento não se encontra registrado na ANVISA.

 

ANVISA E MÉDICOS SÃO CONTRA A LIBERAÇÃO DA "PÍLULA DO CÂNCER"

Mas há uma grande resistência quanto a liberação deste medicamento e a ANVISA deu um parecer favorável ao veto do projeto.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Política

Também é contra a decisão da presidente Dilma o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio e também o Ministério da Saúde, Tecnologia e Inovação.

Médicos e pesquisadores brasileiros também são contra a liberação da fosfoetanolamina alegando que ainda não há estudos suficientes para certificar que esta substância não se trata de uma ameaça à saúde dos pacientes.

A fosfoetanolamina foi desenvolvida há mais de duas décadas, mas até hoje não houve um estudo mais aprofundado para comprar sua eficácia, ou não.

Oncologistas estão preocupados com a decisão de Dilma porque ninguém sabe se esta substância irá interferir no tratamento convencional dos pacientes com câncer e que pedem que esta seja uma decisão científica e não Política.

O texto aprovado por Dilma não define quem irá produzir a pílula e muito menos quando e como ela será produzida. Também não ficou definido o custo e como as pessoas poderão ter acesso, ou seja, a "pílula do câncer" foi, supostamente, liberada pela presidente para conseguir apoio, mas não deixa os pacientes interessados informados sobre como adquiri-la.

Publicidade

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo