Um dia após a votação na Câmara dos Deputados, que aprovou o pedido de Impeachment contra a presidente da República Dilma Rousseff (PT), a mesma convocou à imprensa e realizou uma entrevista coletiva no Palácio do Planalto (Brasília). Em seu pronunciamento, Dilma criticou, de forma veemente, a postura do vice-presidente da República Michel Temer (PMDB), e voltou a acusa-lo de “traidor” e de “tramar contra a democracia”, reafirmando que o atual processo de impeachment não passa de uma tentativa de “golpe” por parte da oposição.

Dando continuidade a sua fala, a presidente Dilma Rousseff afirmou se sentir “indignada e injustiçada” com a aprovação do pedido de impeachment no plenário da Câmara, ocorrida neste domingo, 17 de abril, quando 367 deputados votaram a favor (25 votos a mais do que era necessário para a aprovação – 342 votos) do seguimento do processo, que agora parte para análise do Senado. Dilma também disse que “pedaladas fiscais” não legitima o impeachment, e que outros presidentes do país também fizeram as tais práticas antes dela, e que isto não configura “crime de responsabilidade”.

A presidente Dilma Rousseff concluiu a entrevista coletiva nesta segunda-feira, 18 de abril, afirmando que estava de consciência tranquila e que nunca fez qualquer ato ilegal em seu governo ou alguma trama para enriquecimento próprio. Disse também que a Constituição Federal, promulgada em 1988 após duas décadas de ditadura militar no país, da qual Dilma foi perseguida e barbaramente torturada, estava sendo “rasgada e desrespeitada” pelos parlamentares na Câmara dos Deputados.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Política

Mesmo aparentando profunda decepção com a derrota na votação do domingo, a presidente da República garantiu que não vai desistir da presidência e que “a luta só começou”.

“Derrota já era esperada, o que não significa que foi o certo”, diz cientista político

Para Jorge Gomes, cientista político que acompanha diariamente a crise Política no Brasil, a derrota de Dilma Rousseff na Câmara já era esperada.

“A derrota já era esperada, o que não significa que foi o certo. Não dá para crucificar Dilma quando se sabe que quem está por trás desse impeachment é gente da estirpe de Eduardo Cunha e Bolsonaro. A presidente errou sim, mas errou, sobretudo, quando aceitou os jogos políticos do seu partido, que ‘se misturou com os porcos’ e agora está ‘comendo os farelos’. O PT está ‘colhendo o que plantou’, e quem está ‘pagando o pato’ é a Dilma, que, até se prove o contrário, não cometeu nenhum crime de responsabilidade para ser expulsa do seu cargo.”, afirma Gomes.

“Tudo o que está acontecendo não passa de uma articulação política da oposição, ou seja, não atende aos interesses do povo. Trata-se de uma gananciosa e baixa disputa política, que não representa os eleitores. Se Dilma tem que sair, deixe então que o povo decida isso nas urnas, em uma nova votação; isto seria o certo. O que aconteceu no domingo foi pura tramoia política; um entretenimento barato para mídia golpista transmitir na TV.”, conclui o especialista.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo