O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), rejeitou o pedido de Impeachment contra o vice-presidente Temer. O pedido havia sido protocolado no dia 1º de abril pelo ex-ministro da Educação e aliado político de Dilma, Cid Gomes.

No despacho, Cunha considerou que os argumentos que motivaram o mesmo não eram suficientes para que o processo fosse aberto. Ele referiu-se ao fato do seu próprio nome constar como um dos envolvidos nos crimes de responsabilidade citados no pedido.

Na sua justificativa, o peemedebista afirmou que o seu vínculo foi formulado de uma forma muito genérica e aleatória sem, contudo, relacioná-lo a nenhum fato específico que pudesse ser configurado como crime. Além disto, o parlamentar aproveitou a ocasião para declarar que todas as informações contidas no documento impetrado pelo ex-governador - e que tentam ligá-las à sua pessoa - são falsos.

Com relação ao próprio Temer, o presidente da Câmara declarou que o mesmo só poderá responder por crime de responsabilidade, caso ele tivesse assumido de forma efetiva o cargo de presidente.

Portanto, não poderá ser enquadrado por atos que tenha praticado somente por ter assumido de forma eventual. Além disto, ele estaria sujeito ao processo se o suposto crime cometido tivesse sido praticado em conexão com a própria presidente.

O pedido de impedimento de Temer foi motivado pelo fato do nome do PMDB e do próprio Temer terem sido citados em trechos de ligações entre o empreiteiro da OAS, Léo Pinheiro, e Eduardo Cunha.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Michel Temer

O ex-governador também baseou-se na própria denúncia feita pela Procuradoria Geral da União (PGR). O procurador Rodrigo Janot declarou que o vice-presidente havia sido beneficiado com a quantia de R$ 5 milhões, pagos pelo ex-diretor da empreiteira.

Além destes fatos, Cid Gomes baseou-se em documentos elaborados a partir de declarações feitas pelo senador Delcídio Amaral, ex-PT, e por fatos apurados pela operação Catilinárias, um braço da atuante Lava Jato, que envolvem o nome do vice-presidente e a sua condição de presidente do PMDB.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo