3

O ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, o Lula, ainda não engoliu a saída do PMDB do governo de sua sucessora Dilma Rousseff. Antes do anúncio do desembarque peemedebista ter se tornado oficial na última terça-feira, Lula usou toda a sua capacidade de articulação política para demover o partido aliado do seu propósito. Mas foi em vão.

Mesmo em contato com o vice-presidente Michel Temer, com quem conversou no último final de semana, Lula não conseguiu convencê-lo a manter o PMDB na base de Dilma Rousseff. De Temer, o petista ouviu que os peemedebistas viviam um clima de muita animosidade e que a saída do governo era um quadro irreversível.

Frustrado por não ter logrado êxito no seu propósito, Lula resolveu atacar. Em Fortaleza, neste sábado (2), disparou contra Temer.

“O Temer, como o constitucionalista que é, sabe que esse processo de impeachment é um golpe”, frisou Lula em ato a favor do governo Dilma na capital do Ceará. O evento foi realizado pela manhã e a imensa maioria dos presentes estava trajando vermelho e empunhando bandeiras do Partido dos Trabalhadores (PT) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT). Para os organizadores, o público que prestigiou o ato na Praça do Ferreira girou em torno de 50 mil. Já a Polícia Militar estimou entre 10 e 12 mil pessoas.

Lula ainda vive o dilema da Casa Civil. Segue sem uma definição a sua posse como novo ministro da principal pasta do governo Dilma. A nomeação do ex-presidente foi derrubada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, através de uma decisão liminar provisória.

Os melhores vídeos do dia

A tendência é que o órgão julgue em plenário, na próxima semana, a situação de Lula. No Ceará, ele demonstrou otimismo com relação ao caso.

“Olha, se tudo der certo, vou poder assumir o ministério na próxima quinta-feira (dia 7). Se a Suprema Corte validar, estarei assumindo a posse. Estou retornando para ajudar a nossa companheira Dilma”, garantiu Lula, recebendo um grande aplauso da plateia presente no evento que foi batizado de “Ceará com Lula”. O grande líder do PT falou por aproximadamente meia hora.

Clima de ódio

Em um discurso direcionado ao povo e à defesa da democracia, Lula reclamou e demonstrou frustração por estar vivendo, em suas palavras, um “clima de ódio” por todo o Brasil. Aos cearenses, o político garantiu que jamais viveu uma situação como está vivendo agora.

“Estou na política há 50 anos e nunca vi nada parecido com o cenário atual. Eu realmente jamais vi um clima tomado por tanto ódio como vejo nesse país hoje em dia. Quem vai para passeata e manifestação de verde e amarelo tem que saber respeitar o povo.

O povo que está aqui na rua e que é trabalhador, e a eles eu peço somente uma coisa: que saibam respeitar a democracia e os votos que elegeram Dilma”, desabafou Lula.

Por fim, o petista, demonstrando estar bastante emocionado, ainda comemorou a chuva que caiu em Fortaleza durante o ato em sua defesa e em defesa de Dilma. “Só por essa chuva que Deus nos mandou... já está valendo muito a pena”.