O ex-prefeito da cidade de São Paulo e atualmente deputado federal pelo Partido Progressista de São Paulo (PP-SP) Paulo Maluf fez uma denúncia grave e que pode complicar ainda mais a situação da presidente Dilma Rousseff perante à comissão do Impeachment. Paulo Maluf afirmou que integrantes do Governo Dilma estão oferecendo cargos e verbas a integrantes de seu partido para comprar apoio na votação de impeachment.

Publicidade
Publicidade

Segundo Maluf, que faz parte da comissão que analisará o processo de impeachment de Dilma na Câmara dos Deputados, a sua posição em relação ao impeachment inicialmente era contrária, mas agora, após descobrir o “processo de compra”, sua posição é a favor do impeachment.

“O governo está se metendo num processo de compra que é detestável”, afirmou Maluf segundo reportagem da Folha de São Paulo.

Perguntado quais seriam os nomes dos envolvidos de seu partido que estariam negociando com o governo para “vender votos”, Maluf não quis responder.

Publicidade

Ele também ressaltou que sua opinião sobre a idoneidade da presidente está mudando após esses fatos.

“De forma alguma eu queria fazer uma injustiça com a presidente, que considero como uma senhora correta e com uma vida limpa. Mas agora a minha tendência está mudando”.

Ao final da entrevista ele rasgou elogios ao vice-presidente Michel Temer (PMDB) que será o sucessor de Dilma caso ocorra o impeachment.

“O Michel é um político correto e decente. É um homem respeitado, um político nota 10”.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Governo

Paulinho da Força também acusou o governo de tentar comprar votos

Horas antes as declarações de Maluf serem publicadas, o também deputado federal Paulinho da Força (Solidariedade - SP) que é um aliado do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB) fez uma acusação mais grave: ele disse que integrantes do governo estão oferecendo dinheiro para deputados do seu partido votarem contra o impeachment ou se ausentar do congresso no dia da votação.

Segundo Paulinho, o governo estaria disposto a pagar R$ 400 mil para aqueles que se ausentarem da votação e R$ 2 milhões para os deputados que garantirem que votarão contra o impeachment.

O deputado também não quis citar nomes e não apresentou nenhum tipo de prova sobre suas denúncias.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo