A ação "Vitória de Pirro" tem como foco das investigações o pagamento de propinas destinados a evitar que empreiteiros fossem convocados para as comissões parlamentares da Petrobrás.

O Senador Gim Argello foi mais um dos nomes citados nas delações de Delcídio do Amaral epor Ricardo Pessoa, presidente da UTC, e segundo evidências colhidas pelo MPF, Argello teria pedido propinas milionárias a duas empreiteras, a UTC, e a OAS(já investigadas pela Operação Lava Jato), totalizando um total de R$5 milhões e 350 mil.

Ação "Vitória de Pirro"

Segundo a Polícia Federal, o objetivo principal da ação seria investigar possíveis ilícitos e irregularidades na CPI e na CPMI da Petrobrás dos anos de 2014 e 2015, até agora foram expedidos 22 mandados judiciais, sendo que 2 prisões temporárias e uma preventiva, 5 conduções coercitivas e 14 de buscas e apreensão.

O Senador Gim Argello foi até então o único que teve que ser preso preventivamente

Foram presos temporariamente o assessor do Senador Argello, Paulo Cesar Roxo Ramos, e o secretário-geral da Câmara Legislativa do DF Valério Neves Campos.

Foram feitas várias conduções coercitivas até o momento, entre eles estão: Jorge Argello Jr (filho do Senador), Roberto Zardi Ferreira Jorge, Dilson de Cerqueira Paiva Filho, Gustavo Nunes da Silva Rocha, e Marcos Paulo Ramalho, todos esses indivíduos foram levados a prestar depoimento para a Polícia Federal.

Os demais que tiveram a prisão processual decretada serão levados de Brasilia para Curitiba para a sede da PF às 14 horas.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Governo

Vale ainda ressaltar que as prisões temporárias por lei têm prazo de validade de 5 anos mas vencido o prazo, a critério do juiz esta pode ser convertida em preventiva sem prazo estabelecido de tempo.

Propinas disfarçadas de doação eleitoral

Para a Polícia Federal não há dúvida de que o Senador tentou frustar o depoimento de empreiteiros mediante pagamentos indevidos disfarçados de doações eleitorais, o que caracteriza o crime de concussão ativa previsto no Art 316 do código Penal.

O delator Walmir Pinheiro Santana, que é ex-diretor financeiro da UTC, em depoimento à Procuradoria Geral da República afirmou que a 2 anos atrás houve um acordo entre Ricardo Pessoa (dono da empresa) e Gim Argello com o intuito de livrar Ricardo Pessoa de ser chamado a depor em troca de um repasse de dinheiro para indivíduos apontados pelo Senador.

A prisão de Ricardo Pessoa aconteceu na 7º fase da Lava Jato e cumpre pena de prisão domiciliar por ter sido apontado como chefe de um grupo de empreiteiras que combinavam resultados de licitações.

Em depoimento Ricardo Pessoa disse que de R$5 milhões destinados a propina deveriam ser distribuídos a quatro partidos políticos no DF: Partido da Mobilização Nacional (PMN) receberia R$1,15 milhões, Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB) receberia R$1,15 milhões, Partido da República (PR) receberia R$ 1 milhãoePartido dos Democratas(DEM) receberia R$1,1 milhões.

Além de propinas pagas a OAS e UTC o MP ainda investiga pedidos de vantagem indevida feitos a outras empresas.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo