Em sessão nesta segunda-feira (11), a comissão especial para análise do pedido de impeachment de Dilma Rousseff continua os debates, que começaram na sexta-feira (8). Nesta fase, os parlamentares votam o parecer do deputado Jovair Arantes, que é favorável à continuidade do processo. Em sua fala na sessão de hoje, Jovair afirmou haver "indícios sérios de cometimento de crime de responsabilidade" e que "a população clama para o processo de Impeachment continuar".

Na próxima etapa, independentemente do resultado, o processo irá ao plenário da Câmara dos Deputados.

Quem vota contra e quem vota a favor

De acordo com o deputado Fernando Bezerra Filho , líder do Partido Socialista Brasileiro (PSB), a orientação é que seus parlamentares votem contra a presidente, porém deixa a decisão a critério de cada um. Já a direção nacional do PMDB pretende aplicar sansões, que incluem a expulsão do partido, aos deputados que não seguirem o que for determinado.

Os números da votação

Para que seja aprovada a proposta, são necessários 342 votos.

Dos 513 deputados, até o momento 289 se posicionaram a favor do impeachment e 117 contra. Os indecisos somam 59 e 48 não declararam seu voto.

Daqueles que declararam que votarão a favor do impeachment, 51 são do PSDB, 37 do PMDB e 29 do DEM.

Apesar da determinação do PMDB, alguns de seus deputados ainda figuram entre os indecisos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula

Para conseguir vencer a batalha e permanecer na presidência, Dilma precisa conquistar os votos dos indecisos e daqueles que ainda não divulgaram sua posição. Para a aprovação do pedido de impeachment, faltam até agora apenas 53 votos.

Cardozo diz que o processo foi movido pela vingança

O advogado-geral da União José Eduardo Cardozo, que se pronunciou depois do deputado Jovair Arantes, mais uma vez disse aos parlamentares que o processo de impeachment foi aberto por vingança.

Em sua defesa, afirmou que há "contradições, equívocos conceituais e desejo político" no relatório. Para Cardozo, o relator defende o impedimento de Dilma mesmo não havendo provas de crime.

A votação no plenário da Câmara deve ocorrer no domingo (17).

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo