No início da manhã da quinta-feira (5) Eduardo Cunha, advogados e aliados se reuniram com o vice-presidente Michel Temer afim de anular a decisãodo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, é Política e tem o objetivo de atrapalhar o Governo do vice-presidente, caso ele assuma a governo do país no futuro. Na tarde deste mesmo dia, a nota de repúdio, elaborada na reunião, foi publicada.

Nela eles afirmam que a decisão é uma violação do mandato eletivo, sem a devida guarida Constitucional.

A reunião ocorrida no Palácio do Jaburu, residência oficial da vice-presidência, contou com a presença dos líderes da bancada Leonardo Picciani (PMDB), Jovair Arantes (PTB) e Paulinho da Força (SD), acompanhados dos deputados Maurício Quintela (AL) e Baleia Rossi (presidente do PMDB em São Paulo).

Entretanto, Michel Temer não assinou e nem se posicionou formalmente à cerca do texto que foi publicado na tarde do mesmo dia.

Apesar disso, conforme o jornal O Estadão, Michel Temer teria afirmado com um tom de ameaça que “a manutenção (da liminar) pode acarretar consequências danosas e imprevisíveis para a preservação da higidez da democracia do Brasil”. Mas a assessoria de comunicação da vice-presidência fez questão de destacar que Michel Temer não avaliou ou se quer apoiou a nota, que contém duras críticas à decisão do ministro do STF que suspendeu o mandato de Eduardo Cunha.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Política

Mandato de Cunha suspenso

Foi unânime a decisão do STF em manter a suspensão do mandato e o afastamento de Eduardo Cunha por tempo indeterminado. Os ministros decidiram nesta quinta-feira (5) ratificar a liminar do ministro Teori Zvascki por acreditarem que Cunha estaria utilizando o cargo para atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato e o processo de cassação que responde pelo Conselho de Ética da Câmara.

Após a decisão, Cunha vai recorrer, disse que está sofrendo retaliações por causa do processo de impeachment dá presidente Dilma Rousseff e ainda garantiu que não pretende renunciar. Agora os Deputados terão que decidir em plenário se mantém ou retiram os benefícios de Eduardo Cunha como presidente da Câmara.

A base governista elogiou a decisão do STF, os manifestantes contra a corrupção fizeram festa e soltaram fogos em frente à casa de Cunha, em Brasília.

Além do caso já ter virado meme nas redes sociais, principalmente, com a frase “Tchau, querido!”.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo