Ele resolveu falar. Pela primeira vez após ser afastado do cargo de presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), deu uma importante entrevista e revelou pontos decisivos sobre a recente queda do governo Dilma Rousseff. À Folha, Cunha garantiu que Dilma lhe ofereceu ajuda dentro do Supremo Tribunal Federal (STF) para livrá-lo das acusações que o envolviam na Operação Lava Jato, que investiga desvios de verbas públicas da Petrobras à partidos políticos.

Publicidade
Publicidade

Na entrevista, o ex-presidente da Câmara deixa claro que essa teria sido uma tentativa do Palácio do Planalto em barrar o avanço do Impeachment dentro do Congresso Nacional. Segundo palavras de Cunha, no entanto, em nenhum momento ele pensou em aceitar, até por "não acreditar que alguém possa controlar o STF". Ele também revelou que teve um encontro, ainda no ano passado, com o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, da ala do PMDB ligada à Dilma.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Política

"No dia em que eu estive com a presidente Dilma Rousseff, que foi no dia 1° de setembro, eu havia ido para uma audiência convocada por ela para falarmos sobre algumas medidas e outras coisas. Nessa reunião, ela me disse que estava com cinco ministros do Supremo Tribunal Federal para me ajudar", revelou Cunha.

O encontro com o governador Pezão, segundo Cunha, se deu neste mesmo sentido. Ambos se encontraram em uma reunião no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente, cargo então ocupado por Michel Temer - o novo presidente da República após a recente admissibilidade do processo de impeachment de Dilma Rousseff dentro do Senado Federal.

Publicidade

"Ela disse isso (de que contava com cinco ministros do STF à disposição). Mas não falou os nomes dos ministros e nem para qual tipo de ajuda serviriam. Em um outro momento, quando eu estava em Brasília, o Pezão me ligou querendo uma audiência de maneira urgente. Acabamos nos encontrando no Palácio do Jaburu. Lá, pedimos licença ao Temer e nos direcionamos a um local reservado. Ele veio com a mesma conversa dos cinco ministros", ampliou o ex-presidente da Câmara.

Capitão do golpe?

Eduardo Cunha refuta completamente a alcunha que ganhou de Dilma, que por mais de uma entrevista o chamou de "capitão do golpe". Na mesma entrevista à Folha, o peemedebista releva que rejeitou 41 pedidos de impedimento de Dilma antes de aceitar o assinado pelos juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Jr e Janaína Paschoal, ainda em dezembro de 2015. Segundo ele, se caso fosse de fato o "capitão" do processo, este já teria ocorrido bem antes.

Publicidade

"Recebi 53 pedidos dessa natureza contra a presidente da República. Nenhum outro presidente do Brasil recebeu tantos assim. Desses todos, rejeitei 41 e ainda existem 12 a serem analisados. O impeachment já teria saído há muito tempo se eu fosse o tal capitão do golpe. Não aceitei a ideia de que o exercício do mandato anterior influenciava no atual. E também não dei margem ao tema da corrupção. A questão foi a irresponsabilidade com as despesas sem a apreciação do Congresso", explicou Cunha.

Publicidade

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo