O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, nesta segunda-feira (02), conduziu, ao Supremo Tribunal Federal (STF), uma solicitação de investigaçãocontra o senador Aécio Neves, presidente do PSDB.

A medida cautelar foi embasada na delação premiada do senador Delcídio do Amaral, que foi citado como um dosbeneficiários do esquema de corrupção de Furnas. A PGR tambémsolicitou, noprocesso, investigaçãocontra os senadores Romero Jucá, Jader Barbalho, Renan Calheiros e Valdir Raupp, todos peemedebistas, suspeitos de recebimento de propina das obras da hidrelétrica de Belo Monte.

Se o ministro do STF Teori Zavascki assinar a instalação do inquérito, Aécio Neves será integrado e investigado em desdobramentos da Operação Lava Jato, por esconder o mensalão tucano de Minas Gerais.

Na delação do doleiro Alberto Yosseff, em fevereiro desse ano, o nome do tucano foi mencionado. Também o lobista, Fernando Moura, confirmou ao juiz Sergio Moro que Aécio recebia um terço do total das propinas.

Delcídio do Amaral narra que, após 2002, esteve com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e que conversou sobre o pedido do PP, do PSDB e do PT, para que Dimas Toledo ficasse na diretoria de Planejamento, Engenharia e Construção de Furnas.

Delcídio ainda diz que Aécio Neves, interferiu na CPI dos Correios, que investigou o mensalão, comandada pelo próprio Delcídio, durante o primeiro mandato de Lula.

O senador confirmou que, com a quebra do sigilo fiscal do Banco Rural, houve “certo desconforto por parte do PSDB”, inclusive de Aécio Neves.

O tucano Mineiro teria então solicitado ao secretário-geral do PSDB, Eduardo Paes, para solicitar a Delcídio que fossem prorrogados os prazos de entrega dos sigilos ficais. Mais tarde, o próprio Aécio Neves teria contado ao delator que os registros de transações bancárias foram apagados, pois atingiram Aécio Neves, então governador de Minas Gerais, e o vice-governador Clésio Andrade.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia Lava Jato

Ainda, na delação premiada, Delcídio do Amaral, ouviu de José Janene, ex-líder do PP na Câmara, morto em 2010, que o tucano tinha sido favorecido em uma fundação localizada em um paraíso fiscal, em Liechtenstein, onde seria o dono ou controlador.

Delcídio, entretanto, não confirmou se havia relação entre a fundação, o mensalão mineiro e as transições bancárias apagadas.

O senador Aécio Neves (PSDB) nega todas as acusações.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo