Dia 9 de maio, segunda-feira, foi um dia agitado em Brasília, tanto noCongresso Nacional, onde as duas casas legislativas dão novo rumo ao enredo do processo de impeachment, quanto no Poder Executivo, onde a presidente Dilma Rousseff assinou um projeto de lei que anuncia a expansão no ensino superior brasileiro.

Em discurso que marcou a ampliação do sistema de Educação superior, Dilma Roussef defende os esforços para que o ensino superior chegue aos interiores do país, apontando a importância para o desenvolvimento das regiões onde elas serão implantadas.

As novas universidades são em Goiás, Piauí, Tocantins e no Mato Grosso.

Somado à expansão, o mesmo projeto anuncia a criação de 41 novos campis de Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IF’s) e a convocação da terceira Conferência Nacional de Educação (CONAE) prevista para o ano de 2018.

Novas universidades

As cinco novas universidades são:

Em Goiás, é previsto a criação da Universidade de Catalão e da Universidade de Jataí

No Piauí, será criada a Universidade do Delta do Parnaíba, cumprindo a promessa feita por Dilma Roussef ao deputado José Francisco Paes Landim (PTB-PI) na altura da votação do processo de impeachment na Câmara dos Deputados.

Outro novo centro do saber é a Universidade do Norte do Tocantins e a Universidade de Rondonópolis (Mato Grosso) que se somam às outras 63 universidades federais no Brasil.

Caminho Legislativo

Inicialmente, o projeto de lei vai para análise e votação na Câmara dos Deputados, onde será analisado nas comissões e votado. Caso seja aprovado, o projeto segue para o mesmo processo analítico no Senado Federal. Após todos os trâmites no processo legislativo, o projeto retorna para a sanção da Presidência da República.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Governo Educação

Quanto ao processo legislativo no Senado Federal, durante a sessão plenária da tarde do dia 9 de maio, o senador Wellington Fagundes (PR-MT) defendeu que o projeto deve entrar na ordem do dia com caráter de votação “urgente urgentíssima”, tão logo que chegue ao Senado Federal.

Aos acadêmicos e profissionais da educação, uma dica: fiquem ligados, pois para suprir as novas demandas deverá surgir concurso público.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo