O Presidente interino Michel Temer iniciou a semana empossando a primeira mulher como presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a economista Maria Silvia Bastos, que já presidiu a CSN, trabalhou na Petrobras e no próprio BNDES, além de ter atuado junto ao Comitê Olímpico e como assessora especial da Prefeitura do Rio para a Olimpíada 2016.

O nome foi indicação do presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), Paulo Skaf, que apoiou o Governo ao indicar a primeira mulher para o alto escalão do governo.

Publicidade
Publicidade

A posse da nova presidente foi planejada pela nova equipe econômica, dirigida por Henrique Meirelles, que dois dias depois anunciou que o Banco iria devolver R$ 100 bilhões de reais do seu caixa para o Tesouro Nacional, sendo que R$ 40 bilhões serão devolvidos em 2016.

O ministro da Fazenda garantiu que os recursos estavam ociosos no caixa da instituição e que não afetariam a capacidade de investimento e financiamento do Banco. A previsão é que sejam devolvidos ainda R$ 30 bilhões em 2017 e o mesmo valor para o ano seguinte.

Publicidade

Os recursos a serem devolvidos são fundamentais para o ajuste do orçamento da União. Além disso, foi aprovado o déficit de R$ 170, 5 bilhões no orçamento de 2016, sendo a primeira medida econômica de impacto aprovada pelo Congresso no governo de Michel Temer.

As ações estão linhas com as idéias apresentadas no ano passado em encontro do PMDB em Brasília. No documento “Uma ponte para o futuro” foram relacionadas propostas que não estavam baseadas em aumento de impostos, mas sim na alteração de despesas obrigatórias que geram desequilíbrios entre receitas e despesas em período de baixo crescimento.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Michel Temer

Segundo o próprio documento: “De um lado, a falta de espaço para aumento das receitas públicas através da elevação da carga tributária, de outro, a rigidez institucional que torna o orçamento público uma fonte permanente de desequilíbrio”.

O governo do presidente interino Michel Temer está atuando em linha com as propostas apresentadas anteriormente e a equipe econômica tem atuando por meio de medidas de ajuste das despesas públicas.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo