O ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, criticou duramente a decisão do presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA) de tentar anular a sessão da Câmara que aprovou a admissibilidade do processo de Impeachment contra a presidente da República, Dilma Rousseff. Segundo o magistrado, membro da mais alta corte brasileira, o ato do parlamentar, que preside interinamente a Casa Legislativa, seria considerado um "ato circense", "um ato criminoso, uma tentativa de fraude", nas palavras de Mendes.

'Operação Tabajara'

O ministro Gilmar Mendes afirmou que não existe nenhum sentido na decisão do presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão, de anular o processo de impeachment na Casa, já que não se pode revogar a decisão do plenário da Câmara, já tomada anteriormente, com a aprovação da admissibilidade pela maioria do quórum, totalizando 367 votos a favor da continuidade do processo. Para Mendes, a decisão do presidente da Câmara pode ser descrita como "operação tabajara".

Gilmar Mendes desferiu críticas também ao advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, que realizou a articulação junto a Maranhão, com o propósito de que ele aceitasse as justificativas da AGU, de acordo com as afirmações domagistrado. Mendes foi contundente: " a gente fica com vergonha do nível jurídico, no que confere ao advogado-geral da União", declarou Gilmar Mendes.

A decisão se dar ou não prosseguimento ao processo de impeachment coube ao presidente do Senado Federal, Renan Calheiros, que, na tarde desta segunda-feira (9), determinou que o processo siga no Senado, pois, segundo sua interpretação já foi encerrado na Câmara dos Deputados.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Governo

A oposição ao Governo pretendia entrar com recurso junto ao Supremo Tribunal Federal para que fosse inviabilizada a decisão de Maranhão, porém, com a aceitação pela continuidade de Renan Calheiros, o ato do presidente da Câmara, Waldir Maranhão, foi ignorado por Calheiros, o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff segue mantido.

A votação pelo afastamento da presidente, deverá ocorrer na próxima quarta-feira (11), ressaltando que com votação de maioria simples de senadores , sendo aprovado o afastamento de Dilma, o processo segue para um prazo de no máximo 180 dias de julgamento, para confirmar ou não, o afastamento definitivo ou arquivamento do impeachment da presidente.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo