O cearense Sérgio Machado foi um político de carreira discreta. No entanto, no começo do governo Lula, em 2003, assumiu o comando da Transpetro, indicado pelo PMDB. Pouco mais de 11 anos depois, envolvido no escândalo do Petrolão e investigado pela Operação Lava Jato, licenciou-se do cargo. O afastamento de Machado da presidência foi exigido pela PricewaterhouseCoopers (PwC), como condição para assinar a auditoria de um balanço da empresa.

Machado, que foi deputado federal e senador pelo Ceará nos anos 1990, passou pelo PMDB, mas elegeu-se pelo PSDB, depois de coordenar a campanha do tucano Tasso Jereissati para governador e ter sido secretário de Governo. Segundo políticos que foram seus contemporâneos na Câmara e no Senado, ele tinha um perfil articulador e conciliador, atuando mais nos bastidores do que na tribuna.

O escândalo das gravações

Depois que Sérgio Machado firmou acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República, cujo conteúdo ainda está sob sigilo, gravações de diálogos com políticos causaram pânico em Brasília.

O primeiro a ser derrubado pelo conteúdo das gravações foi o Ministro do Planejamento Romero Jucá, que em uma conversa sugeriu "mudança" no governo para "estancar essa sangria", referindo-se à Lava Jato. Jucá defendeu o impeachment de Dilma: "não adianta mandar o Lula pra cá ser ministro". Ele comentou o medo das delações que estão por vir: "querem pegar todo mundo". Citando Aloysio Nunes, José Serra e Aécio Neves, Jucá afirmou que "já caiu a ficha" do PSDB.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato

Anteriormente aliado de Renan Calheiros, o agora delator divulgou que o presidente do Senado queria que fosse alterada a lei das delações premiadas, a fim de impedir a colaboração de presos nas investigações da Lava Jato. Renan é investigado em sete inquéritos que tratam da corrupção na Petrobras. Em um dos trechos, Calheiros chama o procurador-geral da República Rodrigo Janot de "mau caráter" e reitera que Janot "faz tudo o que esta força tarefa quer".

Também o ex-presidente José Sarney aparece nos áudios. Em um deles, contou que Lula teria dito que eleger Dilma Rousseff foi seu único erro. Em outro momento, Sarney prometeu ajudar Machado a não ser preso. Em um dos diálogos de maior impacto, Sarney demonstrou apreensão sobre o que pode vir dos executivos da Odebrecht: "eles vão abrir, vão contar tudo. Vão livrar a cara do Lula e vão pegar a Dilma...

Quem tratou do pagamento do João Santana foi ela". João Santana foi marqueteiro da campanha de Dilma, sob suspeita de ter sido paga pela Odebrecht.

 

 

 

 

 

 

 

 

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo