As delações premiadas continuam rendendo nas investigações do esquema de corrupção da Petrobras. Segundo o site do jornal O Globo", o ex-diretor de assuntos internacionais da estatal, Nestor Cerveró, em depoimento concedido à Operação Lava-Jato, revelou haver um esquema de propina que beneficiaria onze políticos, cujos nomes são mantidos em sigilo pela Polícia Federal.

Conforme o antigo gestor, existiria um pagamento de, no mínimo, R$ 564,1 milhõesenvolvendo negócios da Petrobras e uma de suas subsidiárias, a BR Distribuidora.

Dessa quantia, o valor mais alto aconteceu durante o final do Governo Fernando Henrique Cardoso, em 2002, por conta da aquisição da empresa Pérez Companc, da Argentina. Naquela época, a transação custou US$ 100 milhões, aproximadamente R$ 354 milhões no câmbio da última sexta.

Cinco anos depois, a mesma Pérez Companc, segundo Cerveró, gerou outro episódio de propina. Durante a venda da Transener, principal linha de energia da Argentina, o então presidente daquele país, Nestor Kischner, fez uma pressão sobre a Petrobras.

Depois de muitas reuniões, o negócio foi fechado, rendendo US$ 600 mil (mais de R$ 2 milhões), divididos igualmente entre o próprio Cerveró e o lobista Fernando Antônio Falcão Soares, o "Fernando Baiano".

O ex-diretor da Petrobras também falou sobre a compra de reserva de Pasadena. Ele disse que Delcídio Amaral, senador afastado recentemente, Fernando Baiano e Paulo Roberto Costa, ex-responsável pelo abastecimento da estatal, receberam, juntos, um montante de US$ 15 milhões (R$ 53,1 milhões) em propina.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Petrobras

Delcídio também recebeu R$ 4 milhões por conta da reforma da refinaria nos EUA.

Ainda segundo Cerveró, a aquisição de sondas gerou um "pagamento extra" de US$ 24 milhões. Nesse caso, os beneficiários foram Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado; o presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ); e o senador Jader Barbalho (PMDB-PA).

A compra de blocos de petróleo em Angola também foi lembrada na delação.

Nestor Cerveró contou que essa negociação, conduzida pelo ex-ministro da Fazenda, Antônio Palocci,deu à campanha de reeleição do então presidente da RepúblicaLuís Inácio Lula da Silva, do PT, em 2006,uma "ajuda substancial" na faixa de R$ 40 milhões a R$ 50 milhões.

Cerveró também revelou sobre ingerências de Fernando Collor e da ex-ministra Ideli Salvattisobre a BR Distribuidora, além do prejuízo de US$ 40 milhões (R$ 141,6 milhões) com a interrupção das obras da fábrica em Duque de Caxias, na Grande Rio, e o episódio do ex-ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, quando ele ordenou àPetros (fundo de pensão da Petrobrás) a investir no Banco BVA, que viria a falir.

Procurados pela reportagem do "O Globo", todos os envolvidos (o ex-presidente Lula respondeu através de seu Instituto) repudiaram todas as delações de Cerveró. Fernando Henrique, por meio de nota, chegou a dizer queas afirmações doex-diretor da Petrobraseram vagas e serviam apenas para confundir o trabalho da Lava Jato.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo