Passados os 20 dias para a presidente afastada, Dilma Rousseff, apresentar sua defesa, por meio de seu procurador, o advogado José Eduardo Cardozo, ex-advogado-geral da União, o Senado prossegue com os trabalhos.

Oprazo da segunda fase do rito de Impeachment encerrou-se hoje (1º) e o ex-advogado-geral da União entregoua nova defesa ao Senado Federal. Cardozo é o encarregado da defesa de Dilma desde a abertura do processo, e agora se iniciará a fase da'Pronúncia da ré', momento em que a comissão do Senado se reunirá para discutir o novo cronograma de atividades.

É nessa etapa do processo que serão reunidas as provas de acusação e de defesa da presidente afastada e poderão ser requisitadas a realização de diligências para elucidar os fatos.

Haverá um tempo determinadopara que acusação e defesa argumentem seus pontos de vista. Nessa etapa, a presidente Dilma poderá ou não se defender pessoalmente.

Depois disso,os Senadores decidirão se a denúncia contra a petista é realmente plausível e, caso decidam que sim,elaserá levada a julgamento.

Um parecer contrário ao impeachmentfoi encaminhado ao senador Anastasia(PSDB-MG) por um pequeno grupo de deputados que são contra o processo e acreditam na hipótese de um golpe parlamentar estar em andamento.

Segundo eles, o rito está transcorrendo de forma apressada, o que levou os senadores a marcar para quinta-feira uma reunião para aprovar ou reprovar o cronograma atualmente vigente.

Segundo o senador Anastasia, a votação deverá acontecer no dia 27/07, e, nessa data, será decidido se de fato houve crime de responsabilidade praticado pela presidente afastada.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Política

Em relação ao quórum necessário, a fase de pronúncia exige maioria simples dos senadores, isso vale tanto para a comissão quanto para o plenário.

A defesa da presidente foi finalizada na madrugada passada e reforça a tese de que não existe crime e que a abertura do processo foi motivada por vingança, da parte do deputado Eduardo Cunha, que atualmente, também está afastado e sob investigação. Segundo José Cardozo, o ato foi uma represália de Eduardo Cunha por não ter conseguido apoio da base petista na câmara.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo