Desde o dia 12 de maio, quando apresentou a equipe de ministros ao país, o ex-vice e agora presidente provisório Michel Temer, catapultado para o cargo pela força de 367 parlamentares, dos quais 300 sob suspeita e investigação, acumula medidas desastrosas e patina num mar de lama, onde, a cada semana, cai um ministro acusado de envolvimento em escândalos.

O último foi o ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, que substituiu a Controladoria Geral da União (CGU), Fabiano Silveira, flagrado em conversa com o presidente do senado, Renan Calheiros sobre um inquérito que o senador responde no STF.

O ministro, que teria como missão combater a Corrupção, articulava manobras para livrar o senador e obstruir as investigações da Operação Lava Jato.

Antes de Silveira, foi o ministro do Planejamento, Romero Jucá (PMDB-RR), que não teve saída e pediu para ser demitido depois que seu diálogo com o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, em delação premiada, correu o mundo afora. Na conversa, o ministro sugere a Machado que uma mudança no governo federal (saída de Dilma) resultaria em um pacto para “estancar a sangria” comandada pela operação Lava Jato, que investiga os dois.

O processo de impedimento da presidente Dilma Rousseff não foi jurídico. Foi político. Uma ação autorizada pelo ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, no mesmo dia em que a bancada do PT anunciou que ia votar pelo processo de sua cassação no Conselho de Ética. Daí em diante, uma força-tarefa foi arregimentada por parlamentares para impedir a continuidade do mandato de uma presidente eleita por 54 milhões de votos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Corrupção Michel Temer

Um dia após o afastamento da presidente, o morador do Palácio do Jaburu reuniu uma equipe de homens brancos, representantes da velha oligarquia e sem nenhuma representatividade da mulher, do negro, do índio, de toda a diversidade brasileira, fez discurso para anunciar o seu projeto neoliberal para o país, um modelo que fez ruir várias economias europeias.

A extinção do Ministério da Cultura gerou uma gritaria em vários cantos do país e sedes do Minc foram ocupadas.

Artistas, intelectuais e cineastas se mobilizaram dentro e fora do Brasil para protestar contra a medida que tornava a cultura subordinada ao Ministério da Educação. O Governo recuou e recriou o Minc.

A proposta de “uma escola sem partido” levada ao Ministério da Educação por Alexandre Frota foi bastante criticada pelos especialistas em Educação, por ser retrógrada e distorcida. Para o ex-ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, a proposta fere o conceito de Educação.

"A pretexto de reduzir algum caráter ideológico do ensino, essa proposta coloca em risco todo o ensino. No limite, não se vai poder falar de ciência, do que as ciências sociais e políticas descobriram nos últimos 200 anos. Isso é contra a modernidade". O ex-ator pornô Alexandre Frota, que integra o partido do deputado Jair Bolsonaro (PSC), prefere o canal da TV para dar exemplos de ações educativas, como o estupro que disse ter praticado com uma mãe de santo em um terreiro de Umbanda.

O governo provisório também afrontou a democracia, a liberdade de imprensa, com medida autoritária e inconstitucional. Por decreto, exonerou, em 17 de maio, o presidente da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), Ricardo Melo. A lei assegura um mandato de quatro anos ao diretor-presidente e o decreto o exonerou em 2 de maio. Ontem, o ministro do STF, Dias Toffoli reconduziu Ricardo Melo à presidência da EBC. Vitória das ruas. A população insatisfeita está em vigília e não dá trégua ao desastroso governo.

Quando o espanto parece ser dizimador, mais decisões revelam o quanto esse presidente que entrou pela porta dos fundos, busca medidas de “salvação" para o país. Ele escolheu como líder de governo, o deputado federal André Moura (PSC-CE), réu em três ações penais no STF sob acusação de desvio de dinheiro público, assim como é investigado em outros três inquéritos por tentativa de homicídio e envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo