Após dezenas de projetos milionários serem aprovados na gestão do PT pela Lei Rouanet, o governo Temer, através da Cnic ( Comissão Nacional de Incentivo à Cultura), reprovou um projeto de quase R$9 milhões que visava um show privado do Rock in Rio e que foi apelidado de 'Rock in Rio sem público'.

O Cnic, que integra o Ministério da Cultura, alegou que o valor era exorbitante e que a estrutura que o projeto 'Amazônia Live' queria montar podia ter o valor reduzido em quase R$4 milhões, sem prejuízo da proposta inicial. Por conta disso, o valor solicitado foi negado e o projeto reprovado na gestão de Michel Temer.

De qualquer maneira, o projeto Amazônia Live está agendado para daqui dois meses e almeja um palco flutuante sobre o Rio Negro, em Manaus.

O evento tem como convidado confirmado o tenor Plácido Domingo, que realizará um show com o Coral Amazonas e a Orquestra Amazonas Filarmônica com transmissão ao vivo pela TV paga e internet. O evento não será desmarcado por conta da reprovação do projeto.

Esse é o primeiro projeto grande que o governo de Michel Temer recusa desde o início de seu mandato de quatro semanas. No governo passado inúmeros projetos milionários eram aprovados, muitos deles pertencentes à artistas já consagrados e que em tese, não precisariam buscar incentivo de patrocinadores pelo Ministério da Cultura.

Beneficiados da Lei Rouanet serão investigados

A Operação Lava Jato anunciou que realizará uma investigação com os cem artistas que foram mais beneficiados com a Lei Rouanet, ou seja, os que obtiveram os maiores valores aprovados.

Os melhores vídeos do dia

Uma solicitação foi enviada ao governo para que dados como valores totais aprovados, nome dos beneficiados e prestação de contas após a capitação do dinheiro durante a gestão do PT fossem divulgadas para o órgão federal.

A Polícia Federal não quis informar o que de fato irá investigar, mas levanta-se a hipótese de acreditarem que houve desvio de dinheiro público e que estes possam ter alguma ligação com o esquema de corrupção da Petrobras. Para não comprometer as investigações, a PF não confirmou ou desmentiu essas informações.