Investigadores da Polícia Federal e membros do Ministério Público estão praticamente convencidos de que Luiz Marinho, prefeito da cidade de São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, e Luís Cláudio, o filho caçula do ex-presidente Lula, receberam algum tipo de favorecimento após a compra de mais de 30 caças da marca Gripen, produzidos pela empresa sueca Saab.

A companhia abriu um escritório naquele município, onde também pretende realizar a montagem dos aviões comprados no ano de 2014, durante a gestão Dilma Rousseff

As negociações de compra envolveram valores da ordem de 5 bilhões de dólares com um superfaturamento de quase 1 bilhão da mesma moeda.

Para os agentes da Operação Zelotes, a prova de que as propinas foram pagas vêm do extrato das contas de Luís Cláudio. A justiça autorizou a quebra do sigilo bancário na semana passada. 

A empresa LFT, voltada para marketing esportivo, de propriedade do filho de Lula, já sofria com investigações por envolvimento em esquemas de #Corrupção no valor de R$ 4,6 milhões, mas os extratos provam a movimentação de mais de R$ 10 milhões, oriundos de transferências realizadas por Cristina Mautoni e também por Mauro Marcondes. Os lobistas teriam participado da operação de compra dos caças com o consentimento e apoio de Luiz Marinho, 

Investigadores da Zelotes também encontraram uma troca de mensagens por e-mail nas quais um executivo da empresa Saab pede ajuda dos lobistas e do prefeito para agendar uma reunião com Lula, alguns meses antes da efetivação da compra.

Os melhores vídeos do dia

Um dos procuradores entrevistados pela revista ISTOÉ declarou que existem provas claras de que a propina foi paga e de que o chefe do executivo de São Bernardo participou do negócio. 

O mesmo procurador estranha a participação de Marinho na escolha dos caças, pois o mesmo não teria conhecimento técnico para tal. Porém, sabe-se que o petista é um dos políticos mais próximos de Lula, herança da amizade iniciada nos tempos de sindicalismo e da fundação do PT.

Mesmo com propostas aparentemente melhores, de empresas norte-americanas e francesas, Marinho deu preferência à Saab, companhia com a qual criou forte vínculo, chegando a voar em um dos caças, em 2010, exibindo a foto do evento nas redes sociais.  #Lava Jato #Grande ABC