O cotidiano da presidente afastada Dilma Rousseff não está nada fácil. Depois de ter sido proibida de utilizar aviões da FAB para viajar,agora foi a vez deter seu cartão de suprimento cortado desde a última quarta-feira (01), segundo informações da coluna Painel da Folha de São Paulo.

O cartão de suprimento é mais um benefício concedido a quem ocupa a presidência, e com ele a presidente pode comprar alimentos para abastecer a despensa e também custear a manutenção do Palácio do Alvorada por meiode recursos pagos pelos contribuintes.

A Secretaria de Governo da presidência confirmou a notícia e disse que o corte no cartão de suprimento de Dilma seria mantido até receber um parecer jurídico sobre o fato. Porém, na noite desta sexta-feira, o cartão de Dilma foi liberado para utilização.

Dilma classificou medida como ‘mesquinharia’

A assessoria da presidente disse à reportagem da Folha de São Paulo que Dilma Rousseff ficou furiosa com o corte repentino nos recursos do cartão de suprimento. Assessores afirmaram que a presidenteclassificou a medida como uma ‘mesquinharia’.

Além da própria Dilma, uma equipe de 30 pessoas entre servidores de gabinete e funcionários circulam nas dependências do Palácio do Alvorada.Essa não é a primeira vez que medidas são tomadas para limitar os benefícios e provavelmente não será a última.

Apesar de limitações, Dilma recebeu visita de senadores nessa semana

Mesmoafastada da presidência, Dilma Rousseff não deixou de manter contatos políticos e de tentar convencer senadores para ficarema favor da continuidade de seu governo na votação final do processo de impeachment.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Michel Temer Política

Nesta semana, dois senadores estiveram no Palácio do Alvorada. Cristovam Buarque (PPS-DF), que já declarou publicamente que está indeciso sobre seu voto no impeachment, e Romário (PSB-RJ), que surpreendeu a todos com sua visita, já que declarou publicamente que votará a favor do impeachment. O político carioca, a partir de agora, passou a jogar no time dos indecisos, já que criticou as primeiras medidas de Michel Temer.

Se o ex-presidente Lula estiver certo em seus cálculos, falta convencer apenas quatro senadores indecisos para a continuidade do governo Dilma.

O petista afirmou que se mais seis senadores votarem a favor da continuidade de Dilma, a presidente afastada voltará a ocupar a presidência.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo