A Câmara de Deputados não será mais presidida pelo deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que já não tratava dos assuntos relacionados ao cargo desde o último dia 5 de maio, quando, por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), teve de deixar a presidência da Casa. Na mesma decisão, o STF também suspendeu, por tempo indeterminado, o mandato do parlamentar carioca.

Enquanto caminhava em direção ao Salão Verde para declarar sua renúncia, Cunha foi hostilizado com gritos de "fora Cunha" por colegas de partidos aliados ao PT e de outras legendas.

Durante seu pronunciamento, o peemedebista ameaçou chorar ao falar das perseguições pelas quais sua família estava sendo vítima nos últimos meses.

A carta de renúncia foi entregue à Secretaria Geral da Mesa, pelo próprio deputado, momentos antes de ele admitir, em público, que renunciaria ao cargo de presidente da Câmara. Por estar com o mandato suspenso e proibido de transitar entre as dependências da Casa, determinação imposta pelo ministro do STF Teori Zavascki, Eduardo Cunha teve de formalizar sua intenção ao STF para receber autorização de ir e entrar na Câmara.

O parlamentar reproduziu em sua oratória o descrito na carta entregue à Secretaria Geral, tendo como destinatário o vice-presidente e atual presidente interino da Câmara, o deputado Waldir Maranhão (PP-MA).

Em seu pronunciamento, Cunha disse que sua renúncia e seu atual péssimo momento político deve-se ao fato de ele ter sido o protagonista do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

Segundo o parlamentar, sua decisão pela renúncia vem de encontro aos anseios de partidários peemedebistas que lhe fizeram o pedido ao constatarem a atual falta de condução da Câmara. Para Cunha, sua ausência da presidência da Casa poderá devolver estabilidade aos processos políticos.

Réu no Supremo Tribunal Federal, Eduardo Cunha é suspeito de participação nos desvios investigados pela Polícia Federal na Operação Lava Jato e também responde a processo disciplinar instaurado pela Câmara e que recomenda a cassação de seu mandato.

Agora, novas eleições devem acontecer dentro de até cinco sessões na Casa, incluindo as reuniões para debate e as que se realizarem para votação. Porém, para que aconteçam tanto os debates quanto as eleições, é preciso quórum mínimo de 51 parlamentares.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo