A novela de Eduardo Cunha à frente da presidência da Câmara de Deputados finalmente foi encerrada nesta quinta-feira (7), quando o deputado federal renunciou ao cargo.

Segundo o portal de notícias G1, no começo da tarde de hoje, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), fez um pronunciamento sobre a sua renuncia e emocionado afirmou que sua família é alvo de perseguição.

Eduardo Cunha dá adeus a presidência da Câmara de deputados

Afastado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), de seu cargo de presidente da Câmara de Deputados desde o último dia 5 de maio, Eduardo Cunha se viu solitário, sem aliados influentes e tornou-se uma pedra no sapato do presidente interino Michel Temer.

Acuado e correndo o risco de perder seu mandato, Cunha tentou se manter vivo no cenário político atual, mas ao que parece, o deputado que antes esbanjava segurança e era considerado o senhor das manobras junto ao conselho de ética, já não tem mais tanta influência.

Mesmo tendo renunciado a presidência, o processo de cassação continuará correndo normalmente no conselho de ética.

Chorando Eduardo Cunha disse que sua família está sendo perseguida

Sob um coro de 'fora Cunha', o deputado fez o anuncio de sua decisão no Salão Verde da Câmara, com a voz embargada e chorando afirmou que sua família está sendo alvo de perseguição.

O deputado fez a leitura na íntegra da carta de renuncia entregue ao presidente interino da casa, deputado Waldir Maranhão.

Cunhase recusou a responder as perguntas dos jornalistas presentes e após se pronunciar desceu a rampa do Congresso Nacional que é usada durante eventos oficiais.

Eleição para novo presidente da Câmara

A carta com a renuncia de Eduardo Cunha, deverá ser publicada no Diário Oficial da União, nesta sexta-feira (8), segundo a Secretaria-Geral da Câmara. A partir de então, as novas eleições serão convocadas e deverão acontecer em um prazo de até cinco sessões do plenário.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Política

Cunha afirma que está pagando um alto preço por ter liderado o impeachment

Em seu discurso Eduardo Cunha disse que se sente perseguido por ter iniciado o processo de Impeachment da presidente afastada Dilma Roussef. Segundo o deputado, o pedido para que ele fosse afastado do cargo se deu no dia 16 de dezembro de 2015 pelo PGR - Procurador-Geral da República, logo após decidir aceitar o pedido de impeachment.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo