O juiz Sérgio Moro, titular da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, no Paraná e responsável pela Operação Lava-Jato, considerada a maior operação de combate à #Corrupção no País,  rebateu prontamente a defesa do ex-presidente da República, Luiz Inácio #Lula da Silva. Moro foi enfático ao responder a todos os pontos de questionamentos da defesa do ex-presidente em relação ao andamento das investigações. De acordo com os advogados, o juiz Sérgio Moro deveria se considerar "suspeito" de julgar os processos que envolvem Lula, já que segundo a defesa, Moro  teria atuado com "parcialidade", devido à condução coercitiva de Lula, além das gravações autorizadas pela Justiça que envolvem o ex-presidente nos escândalos de corrupção da Petrobras.

Lula é acusado de ter cometido crime de obstrução da Justiça, por tentativa de atrapalhar as investigações da Operação Lava-Jato. Por decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal e relator dos processos que envolvem a Lava-Jato, Teori Zavascki, o julgamento da participação do ex-presidente Lula nos desvios bilionários da Petrobras, fica sob a alçada do juiz Sérgio Moro.

Decretação de prisão

Os aliados de Lula temem que o juiz Moro possa decretar a prisão do ex-mandatário do País. O juiz já rebateu contundentemente as alegações da defesa e delineou os equívocos dos defensores: " no que se refere em relação à condução coercitiva do ex-presidente Lula, o requerimento foi solicitado pelo Ministério Público Federal e a autorização foi aceita, além de amplamente fundamentada na data de 29 de fevereiro de 2016, cuja decisão foi acatada ", afirmou Moro.

Os melhores vídeos do dia

Sérgio Moro se referiu também à possibilidade de prisão temporária contra o ex-presidente Lula, com base nos áudios captados através de grampos da Polícia Federal : "rigorosamente, há a indicação de tentativa de obstruir as investigações, o que em razão, de busca e apreensão, poderia justificar a implementação de prisão temporária dele (Lula), porém, optou-se por medida menos gravosa, em se tratando da condução coercitiva", concluiu o magistrado. #Lava Jato