O Brasil atravessa um dos momentos mais conturbados de sua história política e econômica em décadas ao se deparar com uma grave crise que afeta majoritariamente grande parcela da população. Não bastassem os problemas decorrentes da corrupção desenfreada que atinge dramaticamente o País, ressalta-se que este é um momento de enormes desafios, principalmente, em alusão à realização dos #Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, restando poucos dias para o seu início.

Os constantes atentados terroristas que sacodem o mundo atualmente, tornaram-se motivo de grande preocupação do governo do presidente interino, #Michel Temer. As ações terroristas desencadeadas por militantes radicais ou mesmo simpatizantes de grupos extremistas, como o denominado "Estado Islâmico", tanto em países da Europa, quanto em países da Ásia e do Oriente Médio, elevaram os riscos substanciais de que o Brasil possa vir a ser alvo potencial de ataques durante a realização dos Jogos Olímpicos de agosto de 2016,  na cidade maravilhosa.

Ministério da Defesa se pronuncia

O ministro da Defesa do Brasil, Raul Jungmann, respondeu enfaticamente a qualquer tipo de ameaça terrorista que venha a ocorrer em solo brasileiro. Segundo Jungmann; "as prisões de supostos terroristas no País, serviram para acarretar um efeito que assuste terroristas, através de ações duras e dessa forma, evitar atentados", ressaltou. Ainda, de acordo com o Ministério da Defesa do governo Michel Temer; "não está descartada a possibilidade de que os acusados de incitação ao #Terrorismo no Brasil, sejam soltos, porém, com provável utilização de tornozeleiras, através de monitoramento", concluiu. 

O ministro Raul Jungmann tipificou as penas aplicadas para atos preparatórios de terrorismo, considerando-as mais duras. Em se tratando do planejamento e preparação de ataques, a pena pode chegar a 4 anos de reclusão, somando-se à outras penas,com perspectiva de que alcancem 21 anos de detenção.

Os melhores vídeos do dia

As altas penas podem ter um efeito "dissuasório", para que eventuais tentativas de terrorismo não se concretizem. Já o ministro de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, afirmou  que "qualquer pessoa que represente perigo, será monitorada", alertou o general.