Nesta terça-feira (12), a Operação Lava Jato fez uma descoberta calamitosa. A empresa Odebrecht usou uma ramificação da empreiteira, a DAG Construtora, para reformar um prédio com três andares em São Paulo, que teria como objetivo ser o Instituto #Lula. E o que é mais interessante, é que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não gastaria nenhum centavo na reforma desse prédio, seria um presente do seu parceiro de negócios bilionários Marcelo Odebrecht.

O empresário acompanhou todos os detalhes da obra e encaminhou um e-mail para Branislav Kontic, o braço-direito do ex-ministro Antonio Palocci, dizendo que tinha ótimas notícias para o Presidente da República.

No e-mail ele escreveu: "preciso mandar uma atualização do novo prédio para o chefe". A compra do imóvel foi efetivada, porém, algumas pendências judiciais, dos antigos proprietários, impediram que a doação do empreendimento se consumasse.

Decepção

A família do ex-presidente ficou decepcionada com a não concretização do negócio. Foi encontrado pela Polícia Federal, em março deste ano, no sítio em Atibaia, uma pasta rosa com várias informações do projeto, como por exemplo, auditório e salas de reuniões que seriam reformadas e a inclusão de um apartamento de cobertura com cinco suítes.

Lula conhece bem os diretores da DAG Construtora e o advogado Roberto Teixeira, que participou dos processos para a compra do prédio. Teixeira é muito ligado à família do Lula, principalmente quando se fala em projetos imobiliários.

Os melhores vídeos do dia

Um ano sabático

Em 2010, mais precisamente 25 de junho,na última pesquisa realizada pelo Ibope, Lula vivia um sonho: mais de 80% aprovavam o #Governo e faltava pouco para alcançar um recorde mundial de popularidade. também era impressionante o índice de desaprovação do governo Lula, estava apenas nos 3% do eleitorado.

Diante daquele 2010 positivo na vida de Lula, o ex-presidente ganhava prédio, sem nunca imaginar, que alguns anos depois a Operação Lava Jato descobriria tudo e levaria o ex-presidente para mais próximo da República de Curitiba. #Lava Jato