Às vésperas de um recesso parlamentar, os senadores fecharam um acordo: a votação sobre reajustes salariais de algumas categorias. Foi votado um pacote fechado, e que tem a inclusão de 14 mil cargos comissionados, mas já com compromisso fechado com a oposição, que quando chegar a hora da sanção, o presidente em exercício, Michel Temer, vai dizer não a qualquer assunto relacionado à criação de cargos, à criação de carreiras e mudanças de carreiras (era nível médio e passa a ser nível superior).

Publicidade
Publicidade

Nada disso vai ser tratado no momento, ou seja, na prática, o que o Senado aprovou foi o reajuste para várias categorias, como:

  • Forças Armadas;
  • Banco Central;
  • Policiais;
  • Bombeiros.

Uma série de servidores, muitos, inclusive, estavam presentes na sessão em Brasília, saíram muito felizes com o resultado.

Sabe-se que sempre tem alguém que gosta de ''tirar uma casquinha'' da situação, para dizer que estão todos pensando no reajuste dos servidores para tirar isso da pauta, e tanto o governo quanto a oposição estão com esse discurso.

Publicidade

A senadora Vanessa Grazziotin, do PCdoB, que é da oposição, fez questão de dar uma ''alfinetada'' no governo. Ela achou que isso não tem nada a ver, pois falam que precisam diminuir os gastos, e a presidente afastada Dilma Rousseff era uma mulher que gastava muito, segundo deputados e senadores, porém, agora querem aumentar os gastos?

Saiba mais sobre outras aprovações dos senadores 

O Senado Federal aprovou um limite de gastos para as Assembleias Legislativas Estaduais, Tribunais de Contas Estaduais, Câmara Legislativa do Distrito Federal e para o Tribunal de Contas do Distrito Federal. O placar da votação ficou em 62 (sim) e dois (não), porém, essa discussão ainda não foi encerrada, pois ainda vai para votação no Plenário da Câmara, e, com isso, poderemos saber a opinião dos parlamentares nesses limites.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Michel Temer

A regra que foi aprovada é que os gastos não podem ultrapassar o total das despesas do ano anterior, isso, já corrigidas pelo IPCA (Índice de Preços do Consumidor).

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo