De acordo com matéria publicada pela Folha de São Paulo, nesta sexta-feira, dia 1º, o ex-diretor do grupo Hypermarcas, Nelson Mello afirmou, através de delação premiada, que o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) foi um dos parlamentares beneficiados com o recebimento de propinas que abasteceram o chamado 'caixa 2' da campanha que tentou elegê-lo para o governo do estado do Ceará, em 2014. O executivo está sendo alvo da operação Lava Jato, que busca identificar quais os integrantes do núcleo principal do PMDB foram beneficiados com o esquema dentro do Senado.

O repasse do montante teria sido feito com a intermediação do lobista Milton Lyra, que também é alvo da investigação pela Lava Jato. Ele teria sido o responsável por manter contato entre Mello e o senador cearense. Segundo o relato do delator, ele deveria ser visitado por um ' representante' do senador para que fosse acertado os detalhes de uma possível doação para a campanha de eleição de Eunício.

Algum tempo depois, o empresário recebeu a visita de um sobrinho do parlamentar. Este justificou algumas despesas com a eleição do tio, alegando que havia pago algumas empresas através da assinatura de contratos fantasiosos. O total chegou aos R$ 5 milhões.

Uma das empresas que recebeu propina é de propriedade de Eunício Oliveira

De acordo com executivo, os tais 'contratos' foram firmados com três empresas, dentre elas, a Confederal Prestadora de Serviços de Vigilância, de propriedade do próprio senador.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Corrupção

Eles foram firmados apenas para justificar o repasse de propina, sem que nenhum tipo de serviço tenha sido prestado. Ainda segundo Mello, o esquema ainda beneficiou outros senadores como Romero Jucá (AM) e Eduardo Braga (AM), ambos do PMDB.

O delator reforçou a participação de Lyra em várias negociações de outros contratos. O lobista sempre justificou a intenção de ajudar a certos amigos que Mello concluiu, mais tarde, se tratar de alguns senadores, dos quais não quis citar o nome. Ele afirmou que o total negociado chegou a cerca de R$ 15,7 milhões, todos baseados em contratos que pareciam ser verdadeiros.

Eunício tenta se defender de tais acusações

Em resposta ao conteúdo da delação de Nelson Mello, o senador Eunício Oliveira divulgou uma nota na edição do jornal O Povo, neste sábado, dia 02, confirmando as doações de campanha pelo grupo Hypermarcas. Ele declarou que todos os repasses estão registrados legalmente junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Além disso, o peemedebista afirmou que, apesar de conhecer socialmente o lobista Milton Lyra, jamais tratou com o mesmo sobre assuntos de campanhas políticas.

Com relação ao fato de sua empresa ter sido beneficiada com os repasses citados, o senador afirmou que não pode responder pela rotina da mesma, visto que, se encontra afastado de sua administração desde 1998.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo