Para o Procurador da República Ivan Cláudio Marx, aquele que tornou réu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por atrapalhar as investigações da Lava-Jato, o representante do Partido dos Trabalhadores (PT) é o chefe da organização criminosa que ajudou a assaltar os cofres públicos e consequentemente os brasileiros. O Procurador fez a denúncia na Justiça Federal de Brasília ainda na sexta-feira, 20. Agora o companheiro político da presidente Dilma Rousseff tem vinte dias para se defender das acusações. Lula não só nega qualquer envolvimento, como disse que é a Justiça que vai ter que provar que ele é o culpado das acusações. 

No texto que teve repercussão nacional, o procurador vai além e diz que o ex-Senador Delcídio Amaral, agora sem partido, durante suas delações, mostra como Lula agia como o chefe da organização criminosa que tentou comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobrás, Nestor Cerveró.

Cerveró também comentou que o petista tentou influenciar em seus depoimentos. Os relatos dos dois foram importantes para que a Justiça tornasse o político réu. Agora o político vai ter que prestar explicações sobre todas essas acusações. 

O fato de Lula ser pela primeira vez réu na Lava Jato acabou sendo eclodido um dia depois da notícia dele ter pedido ajuda à Organização das Nações Unidas (ONU) contra a atuação do juiz federal Sérgio Moro, alegando que esse estava a agir sem imparcialidade e usando de artifícios ilegais como perseguição contra ele, como as interceptações telefônicas, uma delas envolvendo a presidente afastada Dilma Rousseff. O ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) endossou os argumentos do petista e disse que se Moro fizesse isso na Justiça dos Estados Unidos ele receberia pena de morte. 

Agora Lula tem várias acusações formais contra ele.

Os melhores vídeos do dia

Além da Lava-Jato em si, outro problemão na vida do petista é a investigação do Ministério Público do Estado de São Paulo sobre a compra de um Tríplex no Guarujá, litoral paulista. Ele também nega que seja o proprietário do local.