Desde o início das investigações da Operação Lava-Jato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e toda sua família são suspeitos de serem donos de algumas propriedades polêmicas. Uma delas é o sítio Santa Bárbara, localizado na cidade de Atibaia, em São Paulo. Os petistas negam que sejam os proprietários do local e que só usam o sítio por esse ser de amigos pessoais. No entanto, nesta quarta-feira, 17, o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo pessoal do companheiro político da presidente afastada #Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). 

Segundo Bumlai, a ex-primeira-dama do Brasil, Marisa Letícia, apesar de dizer não ser dona do sítio Santa Bárbara, não estava satisfeita com o espaço e queria uma grande reforma urgente.

Ela teria dito a ele que o local era para ser utilizado nos fins de semana. O pecuarista fez as revelações em depoimento à Polícia Federal. Bumlai enfrenta um cancêr e está bastante debilitado, mostrando agora que não vai mais ficar calado em relação a tudo o que sabe. Para deixar o depoimento, o pecuarista precisou da ajuda dos advogados, tentando exibir assim que sua saúde realmente não anda nada bem. 

Para os investigadores da Lava-Jato, o tal sítio realmente foi comprado pela família de #Lula no ano de 2010 pelo valor impressionante de R$ 1,5 milhão. Segundo o pecuarista, ele esteve no espaço pouco depois da compra a pedidos de #Marisa Letícia e Fernando Bittar. Na ocasião, o sócio do filho do ex-presidente da república informou que o imóvel foi comprado com dinheiro do pai e que Marisa queria uma reforma.

Os melhores vídeos do dia

Ele então teria indicado um amigo engenheiro para fazer as mudanças necessárias no espaço.

Marisa não teria gostado do engenheiro ser devagar e pouco tempo depois o contrato com o profissional foi desfeito. Segundo Bumlai, uma empreiteira foi contratada para fazer uma "obra de verdade". O objetivo da mulher de Lula era que as mudanças no local fossem feitas o mais rápido possível. Depois disso, ele alega não ter tido mais contatos com a obra.