O escândalo do sistema de propinas da Petrobras e de doações de caixa dois para campanhas eleitorais já saiu, há bastante tempo, do âmbito do PT e começa atingir políticos de outros partidos, como do PSDB, que tem José Serra apontado como sendo um dos que recebeu dinheiro de caixa dois para sua campanha presidencial, em 2010 - tendo recebido parte no Brasil e parte em contas no exterior. A informação teria sido dada por executivos da Odebrecht, em conversa com a força-tarefa da Lava Jato em possível acordo de delação premiada.

Valor pedido por Temer teria sido registrado como "departamento da propina"

Agora, a lama atinge o PMDB, na pessoa do presidente em exercício, Michel Temer. De acordo com publicação da Veja, que teria tido acesso a um dos anexos da delação premiada da empreiteira, considerada a mais esperada da operação Lava Jato, Temer participou de uma reunião em 2014, que teve como um dos resultados, uma doação de R$ 10 milhões, em dinheiro.

A reunião foi durante um jantar oferecido no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente da República. Estiveram presentes na reunião Michel Temer e Eliseu Padilha, que hoje é ministro-chefe da Casa Civil, juntamente com Marcelo Odebrecht.Na parte do anexo a qual a Veja teve acesso, consta que Michem Temer teria pedido apoio financeiro ao empresário e este, teria prometido colaboração.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Corrupção

O valor em questão é R$ 10 milhões, pago em dinheiro vivo ao PMDB e que teria sido registrado na contabilidade de um setor da Odebrecht como "departamento da propina". Desse valor, R$ 4 milhões foram para Eliseu Padilha e R$ 6 milhões foram para Paulo Skaf, presidente da FIESP, que disputou o governo de São Paulo com o apoio de Michel Temer, em 2014.

O presidente em exercício, Michel Temer confirmou o encontro e também que houve uma conversa entre ele e Marcelo Odebrecht sobre auxílio financeiro ao partido, para as campanhas eleitorais, mas tudo dentro da legislação eleitoral e declarado ao TSE.

Acontece que, o TSE tem registrado que a empreiteira repassou R$ 11,3 milhões ao PMDB, em 2014, que foram, como exigido pela Justiça eleitoral, depositados na conta do partido, já os R$ 10 milhões teriam sido pagos em dinheiro vivo e registrados no "caixa paralelo" da empreiteira.

Michel Temer negou ter pedido auxílio financeiro a Odebrecht e Eliseu Padilha negou ter recebido parte do valor, assim como Skaf, que declarou não ter recebido doação da empreiteira.

Depois dessa revelação, certamente se espera que a Odebrecht feche logo a delação premiada com a Lava Jato. Pelo jeito, a coisa vai esquentar ainda mais.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo