Nesta segunda-feira, 12, deputado afastado Eduardo Cunha, eleito pelo PMDB do estado do Rio de Janeiro, pediu que os os colegas o julguem levando toda a isenção possível, pedindo até que os eleitores não sejam levados em conta. De acordo com ele, caso os parlamentares decidam por cassá-lo, não tem qualquer problema. O político garante que essa é uma decisão política e que a família dele também não importava neste momento. A esposa do político, a jornalista Cláudia Cruz, é acusada de ter uma conta não declarada e é alvo da Operação Lava Jato. Neste domingo, 11, durante entrevista ao jornalista Roberto Cabrini, do 'Conexão Repórter', do SBT, Claudia disse que não tinha medo de ser presa.

Cunha repetiu o mesmo discurso.

Segundo o ex-todo poderoso da Câmara, o melhor é que ele fosse derrotado no debate e nas urnas e não daquela forma. Neste momento, o político se emocionava e tinha dificuldades para falar. Enquanto algumas pessoas gritavam "Fora, Cunha", Eduardo chorava. Ele chegou a derramar lágrimas durante alguns instantes. Não é a primeira vez que o deputado chora. No dia em que anunciou que deixaria a presidência da Câmara, durante uma entrevista coletiva dada a jornalistas, ele também já havia se emocionado, que teve repercussão nacional. 

"Eu estou pagando o preço de ter o meu mandato cassado por ter dado continuidade ao processo de impeachment", disse ele tentando justificar os motivos de sua cassação. "É o preço que eu estou pagando para o Brasil ficar livre do PT", disse o político citando o martírio recente enfrentado pela ex-presidente Dilma Rousseff.

Os melhores vídeos do dia

No dia 31 de agosto, no Senado Federal, a petista foi cassada por 61 votos a 20. Apesar de perder o cargo, Rousseff ainda pode se candidatar a cargos públicos, como até se eleger em 2018. 

Cunha não teve a mesma sorte e não conseguiu fatiar a votação contra ele. Cassação e inelegibilidade serão votadas juntos. O pleito deve ser resolvido na madrugada e o resultado provavelmente deve ser o pior para Cunha e o pedido por muitos brasileiros.  #Eduardo Cunha #PMDB