Nestes dois últimos anos, uma investigação tomou conta do noticiário político. A Lava Jato acabou virando uma das principais manchetes do ano passado e deste ano. A apuração que apura a corrupção contra a maior estatal brasileira, a Petrobras, parece não ter fim e já levou vários políticos e empresários para trás das grades. Um deles foi um dos ex-assessores de Antonio Palocci. De acordo com a Globo News e com o site político 'CristalVox' em matéria publica nesta segunda-feira, 03, o assessor político Branislav Kontic teve uma atitude crítica. O site 'CristalVox' diz que ele decidiu se suicidar na prisão, em Curitiba, no Paraná.

Para isso, Branislav tomou medicamentos em excesso.

Um carcereiro viu que ele estava passando mal e a Polícia Federal teve que levar o chamado braço-direito de Antonio Palocci às pressas para um hospital da região. Oficialmente, no entanto, a Polícia Federal diz apenas que houve sim o fato do preso ter tomado muitos medicamentos a conta própria, mas evita falar em suicídio, mesmo que uma coisa acabe levando à outra. Tomar remédios em excesso, como a maioria dos adultos sabe, pode levar ao óbito ou a sérias complicações na saúde, especialmente se a pessoa não for socorrida a tempo. 

Estranho modo e mudança de prisão

Um dos métodos mais comuns neste socorro é a lavagem estomacal, que tem o objetivo de tirar substâncias do corpo da pessoa. Branislav, ao chegar à unidade hospital, teve que ser internado às pressas. Ele e o ex-Ministro do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estão presos desde o início da semana passada.

Os melhores vídeos do dia

Ambos foram acusados de se envolverem no esquema de corrupção que ajudou a roubar os cofres da Petrobras. As prisões fazem parte da etapa de número 35 da Operação Lava Jato. 

Já no hospital, Branislava acabou sendo submetido a um tratamento para se livrar dos remédios em excesso. Já melhor, ele foi transferido da superintendência da PF em Curitiba para o Complexo Médico Penal (CMP). O ex-Ministro Palocci também será transferido.