O clima quente que tomou conta da política brasileira desde o impeachment de Dilma Rousseff parece ter "subido à cabeça" dos profissionais que cuidam da comunicação dos partidos políticos. O cidadão mais desavisado - ou mais politizado - que queira obter mais informações sobre alguma ação governamental precisa ter "sangue de barata" para lidar com alguns governantes e sua equipe. Um exemplo de indelicadeza no trato com os cidadãos partiu do #PSDB, partido que está à frente do governo do Mato Grosso.

O perfil oficial do governo nas redes sociais está divulgando um evento que acontece neste final de semana e que, custeado pelo estado, terá show de Vanessa da Mata.

Até aí nada de mais, uma vez que o fomento à cultura é parte das obrigações do governador Pedro Taques (PSDB). O problema é que o Mato Grosso está passando por uma grave crise financeira e está atrasando o pagamento dos salários dos servidores.

Indignada com a inversão de prioridades do PSDB, uma internauta decidiu perguntar quanto iria custar à população a realização do evento. Inocentemente  a cidadã Pillar Yegros enviou uma mensagem, via comentários do Facebook, ao governo psdbista: "qual o valor gasto?", questionou. A resposta do governo estadual revoltou os internautas.

"Estão disponíveis (sic) no Portal Transparência o valor investido. Mas podemos desenhar também. Só nos dê um tempinho para produzir essa arte, por favor", responderam ironicamente os funcionários da comunicação do governo.

Os melhores vídeos do dia

"Quer que eu desenhe" é uma gíria usada para indicar que o assunto tratado é muito fácil e que a pessoa que não está conseguindo entender a matéria em questão é "burra". "Quando vi a resposta me senti envergonhada porque me chamaram de burra e eu não estava fazendo nada errado, apenas cobrando", afirmou ao G1 a cidadã ofendida pelo PSDB. "Quero ver o governo que promove lazer, fazendo reforma em quadra esportiva. Ou fazendo um show em bairros periféricos. Estou esperando o desenho do valor gasto, com um nariz de palhaço", desabafou Pillar nas redes sociais. 

A grosseria do governo mato-grossense repercutiu negativamente nas redes sociais. Após as críticas, o perfil do governo publicou um pedido de desculpas. "Erramos ao tentar descomplicar um termo restrito utilizado na comunicação", disse. Entretanto, logo depois defendeu o uso da linguagem grosseira: "buscamos neste espaço manter um diálogo permanente, papo reto, com linguagem compatível com a rede social. Uma das ferramentas que utilizamos para ilustrar as ações do governo é o infográfico. Ou seja, literalmente desenhamos as pautas com o intuito de tornar a linguagem cidadã, acessível, próxima do nosso cotidiano. Isso não se confunde com falta de respeito".