Nesta terça-feira (08), o juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, marcou o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o dia 30 de novembro. Lula falará como testemunha do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha. O juiz pediu para que Lula dê o seu depoimento por videoconferência. Assim, basta o ex-presidente ir até à Justiça Federal de São Bernardo do Campo, local onde mora.

O presidente do Brasil, Michel Temer, também receberá notificação para o depoimento. Conforme a legislação, o presidente pode escolher se fala diretamente com o juiz ou responde por escrito às perguntas formuladas pelos procuradores, advogados e o próprio Sérgio Moro. Esse benefício de Temer está no Código de Processo Penal e vale para, além do presidente, vice-presidente, deputados, senadores e ministros.

Em duas notificações já feitas pela Operação Lava Jato, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, respondeu aos procuradores por escrito. Foi uma decisão dele. A ex-presidente Dilma Rousseff, que na época foi chamada para ser testemunha da empresa Odebrecht, também escolheu essa alternativa, de responder os questionamentos por escrito. Porém, a defesa da Odebrecht mudou os planos e tirou Dilma como testemunha.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Política

Além de Lula e Temer, prestarão depoimentos o professor de direito penal José Tadeu de Chiara, o engenheiro da Petrobrás, Sócrates Marques da Silva e o ex-vice governador do Distrito Federal, Nelson Tadeu Filipelli.

Eduardo Cunha

O ex-deputado Eduardo Cunha está preso desde 19 de outubro. Ele é acusado de ter contas secretas na Suíça e de receber propina nos contratos de exploração de Petróleo, na África. A defesa de Cunha não concorda com sua prisão e fala que não tem nenhuma prova de que o ex-deputado participou do esquema de propina.

Denúncia

Os advogados de Eduardo Cunha querem que a denúncia contra ele seja rejeitada e estão lutando por isso. Eles pedem também a rejeição das denúncias de conduta criminosa de Cunha, em relação ao ex-diretor da Petrobrás, Jorge Zelada, que inclusive, já foi condenado pela Operação.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo