Uma verdadeira bomba pode abalar ainda mais as estruturas do governo de Michel Temer. De acordo com informações divulgadas em reportagem do jornal “O Globo”, denúncias graves foram feitas à Polícia Federal. A denúncia foi feita pelo ex-vice presidente de Relações Institucionais da empreiteira #Odebrecht, Cláudio Melo Filho, e envolve diretamente o presidente #Michel Temer em sua campanha eleitoral, em 2014, juntamente com a ex-presidente, Dilma Rousseff. De acordo com o Cláudio Melo Filho, Michel Temer teria pedido 10 milhões de reais, diretamente ao dono da Odebrecht, Marcelo Odebrecht.

Claudio Melo ainda teria afirmado, em sua delação, que toda a quantia solicitada por Temer a Marcelo Odebrecht foi entregue em dinheiro vivo no escritório do advogado José Yunes, pessoa de confiança que ocupa, atualmente, o cargo de assessor especial de Michel Temer no Palácio do Planalto.

Yunes já foi, inclusive, tesoureiro do PMDB, em São Paulo.

Paulo Skaf e Eliseu Padilha também são acusados de envolvimento

De acordo com Claudio Melo, os 10 milhões entregues, em dinheiro vivo, teriam destino certo. Segundo ele, dos 10 milhões entregues, 6 milhões seriam entregues aos administradores da campanha de Paulo Skaf, presidente da Fiesp e candidato a governador de São Paulo, em 2014. Os outros 4 milhões teriam sido destinados ao ministro Chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, que, de acordo com o ex-presidente de Relações Internacionais da Odebrecht, teria ficado encarregado pela distribuição da quantia milionária entre o partido para financiar campanhas de outros candidatos.

Claudio de Melo Filho é um dos 77 executivos da Odebrecht, que concordaram em fazer, acordo de delação premiada, e que aceitaram, contribuir com as investigações da Operação #Lava Jato, em troca de redução de pena.

Os melhores vídeos do dia

Mais de 80 procuradores da República foram selecionados para interrogar os 77 delatores. Os interrogatórios começaram nessa semana e ainda não têm data definida para ser encerrado.

Outro lado

Segundo Márcio Freitas, que ocupa o cargo de secretário de Comunicação da Presidência, Michel Temer negou que qualquer quantia de dinheiro em espécie, tenha sido entregue no escritório de Yunes, durante a campanha eleitoral de 2014, porém, ele confirmou que houve, realmente, um pedido de Temer, para que Marcelo Odebrecht contribuísse com recursos financeiros na campanha. Recursos esses que, segundo o secretário, foram todos declarados, conforme determina a legislação vigente.