De acordo com algumas informações, o Natal dos presos da Operação Lava Jato será um pouco diferente do que eles habituavam passar junto com suas famílias. As "delícias" do natal passaram por uma revista rigorosa, na semana que antecede a festividade. Na carceragem da Polícia Federal e no Complexo Médico Penal, os familiares dos 26 presos pela força-tarefa puderam levar algumas guloseimas, porém com algumas restrições.

No começo, houve uma polêmica sobre a entrada dessas comidas típicas natalinas na carceragem da Polícia Federal, onde estão 11 presos, incluindo o ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, Léo Pinheiro, da OAS, o ex-ministro Antonio Palocci e o doleiro Adir Assad.

Um dos funcionários não queria autorizar nenhum comes e bebes, dizendo que não tinha ordem para permitir a entrada das comidas.

Ordem de cima

Como na quarta-feira (21), foi a última visita antes do Natal, os familiares dos condenados apareceram em peso na carceragem. Os agentes olharam as sacolas e viram que tinham bastante panetones, pedaços de peru e outras guloseimas. Eles ficaram perdidos se poderiam autorizar a entrada.

Com determinação dos coordenadores da Lava Jato, o delegado Maurício Moscardi Grillo deu ordem para que os presos recebessem a comida, porém só foi autorizado 1 panetone por preso.

Panetone esfarelado

No Complexo Médico Penal as coisas são um pouco diferentes. Os detentos possuem um local reservado para o banquete. Por determinação do Departamento de Administração Penitenciária, os presos podem receber panetones, peru, nozes e outros alimentos do Natal.

Os melhores vídeos do dia

O panetone é todo esfarelado antes de chegar aos detentos, para que não haja nenhum objeto escondido neles. Segundo informações, será feito uma oração antes da ceia, comandada pelo ex-deputado Luiz Argolo, que virou um grande religioso após ser presidiário.

No dia 24, véspera de Natal, enquanto as pessoas trocarão presentes e se abraçarão desejando um feliz Natal, os presos terão uma pequena tarefa: Eles dormirão as 21 horas seguindo a rotina normal do presídio.