O Impeachment do presidente Michel Temer foi pedido em uma peça jurídica apresentada nesta quinta-feira (8) na Câmara dos Deputados. O documento aponta como motivo para o impedimento a atuação de Temer em benefício ao ex-ministro Geddel Vieira Lima, para permitir a construção de um prédio em Salvador, no qual ele havia comprado um apartamento. Assinaram o pedido entidades de esquerda como MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra), UNE (União Nacional dos Estudantes) e CUT (Central Úncia dos Trabalhadores), além de professores de direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro, publicou a Folha de S.

Paulo.

O presidente da CUT, Vagner Freitas, entregou o documento ao secretário-geral da Mesa, Wagner Soares Padilha. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que havia marcado a audiência, não apareceu. Cabe a ele aceitar ou não o pedido. Mas como Maia é aliado de Temer, a expectativa no momento é que a peça seja arquivada.

Pedido de impeachment

O texto afirma que "a confissão do Sr. presidente da República de que tratara do tema com o então titular do Ministério da Cultura [Marcelo Calero] torna incontornável a conclusão pela prática de crime de responsabilidade".

Segundo o documento de 37 páginas, Temer incorreu em crimes previstos em artigos da Constituição e da lei que rege o processo de impeachment. O presidente já concedeu entrevista afirmando que não cometeu irregularidade ou patrocinou interesses privados no caso.

Caso Geddel

O escândalo que culminou no pedido de impeachment teve como protagonista o responsável pela articulação política do governo, ministro Geddel Vieira Lima, que renunciou após críticas ao episódio se agravarem.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Michel Temer

Ele foi acusado pelo ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, de pedir a intervenção dele em uma decisão técnica do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) da Bahia, que determinou limite para altura de um prédio de luxo em que Geddel havia comprado um apartamento. A crise em torno do assunto se agravou após Calero afirmar que havia gravado conversas com o presidente Michel Temer e do ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo