Os investigadores da Operação Lava Jato vão se empenhando todos os dias para conseguirem decifrar os codinomes de todos os políticos da "famosa" planinha da empreiteira Odebrecht. Esses parlamentares são acusados de receberem propina da empresa. Esses dias foi descoberto quem são os apelidos de "Todo Feio", que seria do ex-deputado Inaldo Leitão, "Caju", ligado ao senador Romero Jucá, "Zoológico" fazendo referência a João Leão e o ex-assessor da ex-presidente Dilma Rousseff, Anderson Dornelles, de codinome "Las Vegas". Muitos outros codinomes já foram decifrados, porém alguns deles ainda são um grande mistério.

As planilhas da Odebrecht mostram que a empresa repassava somas milionárias para os políticos envolvidos na Corrupção.

Maria Lúcia Tavares foi a primeira funcionária da Odebrecht a colaborar com as investigações. Ela é uma das pessoas "chave" no processo, pois atuava diretamente no setor de propinas da empreiteira.

Mistério

Se baseando na delação do ex-executivo da empresa, Cláudio Melo Filho, os apelidos tem as características físicas dos parlamentares. Há vários apelidos ainda em investigação, como por exemplo, "Abelha", "Grisalhão", "Baixinho", "Comprido", "Flamenguista" e "Timão".

Todo esse mistério envolvendo os apelidos deixam em alerta os investigadores. Alguns codinomes estão ligados a obras da empreiteira. Um dos exemplos é "Bobão" que é citado junto com o repasse de R$ 150 mil acoplado a obra "Canal do Sertão" - Lote 4.

Existem menções de pagamentos de propinas à países vizinhos. "Duvidoso" está junto com "Dutos Argentina" e tem o valor de R$ 100 mil especificado ao lado do nome.

Os melhores vídeos do dia

Muitos acreditam que o codinome de "Mineirinho" tem relação com o senador Aécio Neves (PSDB), que afirmou desconhecer qualquer irregularidade em dinheiro destinado à sua campanha eleitoral.

Conhecimento

De acordo com a secretária Maria Lúcia Tavares, apenas seus quatro chefes sabiam a quem os apelidos representavam. Tavares revelou que sempre que os prestadores iam repassar as propinas, eles tinham todos os dados do político, como endereço, valor, senha e pessoa que receberia o dinheiro.