Atualmente, o PT, PCdoB, e Psol são considerados os principais partidos de oposição a Michel Temer. Inclusive o PT e o PCdoB prometem protocolar nesta terça-feira (06), às 15h, um pedido de afastamento do atual presidente do Brasil, o senhor Michel Temer. O pedido será idealizado com base nas argumentações dos idealizadores e, logo mais, será direcionado à Câmara dos Deputados.

Segundos os Petistas, o pedido de impeachment é assinado pelo MST, além de juristas aliados, como é o caso de Marcelo Neves, que diga-se de passagem, já atuou como procurador-geral no governo Lula.

A acusação baseia-se no envolvimento de Temer na polêmica envolvendo os ex-ministros Marcelo Calero e Geddel Vieira. Segundo o que foi afirmado, Temer teria pressionado Calero a aprovar uma solicitação de Geddel para a liberação de uma obra que estaria embargada.

O texto da legenda diz: "A fundamentação do pedido se baseia no envolvimento de Temer em crime de responsabilidade e advocacia administrativa, quando o presidente golpista pressionou o ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, a 'achar uma solução' para a solicitação do ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, que queria a liberação de uma obra embargada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), pois teria interesses particulares no prédio".

Não se sabe ao certo se, efetivamente, os argumentos apresentados serão suficientes para que o pedido de impeachment seja aceito e, consequentemente, votado. No passado, o PT e o PMDB foram grandes aliados. Inclusive, muitos especialistas políticos afirmam que a influência de Michel Temer e do PMDB foi imprescindível para que Dilma vencesse as eleições de 2010 e de 2014.

Michel Temer também sofre grande pressão das centrais sindicais, pois algumas propostas são impopulares, segundo tais órgãos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Michel Temer Política

A CUT(Central Única dos Trabalhadores), que é uma entidade aliada ao PT, se opôs em várias ocasiões ao governo de Michel Temer.

Os motivos foram as mudanças propostas pelo presidente com relação à Previdência Social e as mudanças nas leis trabalhistas. Algumas das propostas prevê uma jornada de trabalho opcional de 12 horas, que poderá ser acatada ou não pelo empregador e pelo trabalhador. Além disso, no que se refere à Previdência, uma das propostas prevê a idade mínima de 65 anos para aposentaria de homens e mulheres.

Ambas as propostas recebem várias críticas tanto de centrais sindicais, quanto da população menos favorecida. Inclusive nesta terça-feira, Michel Temer enviará a proposta de reforma previdenciária ao Senado Federal para que haja a votação da mesma.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo