Nesta quinta feira, o bimotor que tinha o ministro do STF Teori Zavascki como passageiro e mais três pessoas caiu no mar, próximo à Paraty, no Rio de janeiro. Houveram três vítimas, incluindo o relator da Lava-Jato. O avião partiu de Campo do Marte, em São Paulo, com destino à Paraty, região que estava sob chuva forte. A aeronave pertencia a um amigo do ministro.

Ainda não foram divulgadas as identidades das outras vítimas e a situação do quarto passageiro.

Pelas redes sociais, familiares da vítima anunciaram sua morte. Ele iria homologar delações da operação Lava-Jato na próxima semana, além de retirar o sigilo de mais de mil delações da Odebrecht, que é uma das empreiteiras investigadas.

Bombeiros tentam tirar os corpos de dentro do avião, que está parcialmente submerso. O Hotel Emiliano, empresa responsável pelo bimotor, afirmou não possuir informações sobre o acidente.

Teori tinha 68 anos, natural de Faxinal dos Guedes, Santa Catarina, e era considerado como uma pessoa discreta. Foi indicado ao cargo pela ex-presidente Dilma Roussef em 2012. Ele já tinha sido professor universitário e assumiu uma cadeira na Universidade de Brasília.

Em maio do ano passado, Francisco Zavascki, filho do ministro, postou em suas redes sociais que haviam muitas pessoas querendo o fim da Lava-Jato, e que se acontecesse alguma coisa com a sua família, que todos sabiam onde procurar.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Política

Teori, na época, comentou que recebia sim ameaças, mas que não era nada sério.

A Lava-Jato investiga casos de corrupção envolvendo empreiteiras, políticos e empresas nacionais. A delação da Odebrecht é uma das mais aguardadas e a maior da operação, com 77 executivos da empreiteira. O presidente da república, Michel Temer, irá nomear um novo ministro, que se encarregará do caso. De qualquer forma, o processo será pausado até que o novo ministro assuma.

Em nota após a divulgação do falecimento, Dilma o chamou de "intelectual do direito", e que desempenhou sua função com seriedade e integridade. Rodrigo Janot, procurador-geral da República, também lamentou sua morte.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo