Nos últimos meses, acompanhamos a prisão de vários políticos e empresários envolvidos em escândalos envolvendo corrupção e desvio de dinheiro público. Essas prisões aconteceram devido a investigações realizadas pela Polícia Federal e pelo Ministério Público através da Operação Lava Jato. Nessa quinta-feira (26), foi dado início uma nova fase da operação. Ao todo, nove pessoas tiveram seus mandatos de prisão e condução coercitiva emitidos pelas autoridades.

Publicidade
Publicidade

Entre eles, está o nome do empresário Eike Batista, que já liderou, por diversas vezes, a lista dos homens mais ricos do Brasil.

A nova fase da operação Lava Jato está acontecendo na cidade do Rio de Janeiro. Na manhã de hoje, a Polícia Federal encaminhou para a delegacia várias pessoas para prestarem depoimentos. Todavia, nem todos os mandados puderam ser cumpridos. Eike Batista, por exemplo, está sendo considerado foragido da polícia.

Publicidade

O advogado do empresário, Fernando Martins, disse que Eike está em viagem para o exterior e que vai se entregar em breve. A principal acusação sobre o empresário é o pagamento de propina para conseguir facilitar contratos com o governo, quando o governador era Sérgio Cabral.

Além de Eike Batista, outra pessoa que teve o mandado de prisão expedido foi seu “braço-direito” Flávio Godinho. Flávio está sendo responsabilizado por ser um dos líderes do esquema.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato

Segundo a polícia, ele realizava a ocultação e a lavagem de dinheiro que eram recolhidos das empresas que responsáveis por obras públicas no Rio de Janeiro.

Outra pessoa que também está sendo investigada é o ex-governador Sérgio Cabral, que está preso em Bangu, e sua ex-esposa, Susana Neves Cabral. Por volta de 10 horas de hoje, Susana deixou o prédio onde morava em um carro da Polícia Federal. O advogado da investigada considerou a prisão com uma violência.

Ele diz que não precisava da polícia ter ido buscar sua cliente. "Eles poderiam tê-la intimado. Ela viria responder as perguntas sem problemas. Não precisava dessa violência.", disse Sergio Riera, advogado de Susana.

Os agentes estão tentando cumprir também o mandado de condução coercitiva contra Maurício de Oliveira Cabral Santos. Ele é irmão mais novo de Sergio Cabral e foi sócio na LRG Consultoria e Participações, que também está na lista de investigadas.

Publicidade

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo