O presidente Michel Temer se pronunciou nesta quarta-feira (11) e disse que os presos no Brasil vivem em condições desumanas e que as quadrilhas atuantes em presídios preocupam a segurança nacional.

O pronunciamento ocorreu na abertura de uma reunião com ministros do setor de infraestrutura que analisam o programa de concessões lançado em 2016, com grandes possibilidades de incluir novos projetos.

Temer aproveitou para falar sobre a redução da inflação oficial e logo depois relembrar o cumprimento de compromissos assumidos, principalmente com os parlamentares, como o pagamento de emendas.

Durante sua fala, o presidente acrescentou que, apesar da Segurança Pública não ser diretamente uma atribuição da União, acabou por aumentar as verbas para o setor, citando a total liberação de R$ 1,2 bilhão no final de 2016 de recursos do Fundo Penitenciário para os governos estaduais.

"Meu desejo é que daqui a alguns anos não haja necessidade de anunciar a construção de presídios. Só escolas, postos de saúde etc. Mas o Brasil tem um longo caminho para esse efeito. Nesse momento, a realidade que vivemos exige a construção de presídios para retirar as condições, convenhamos, desumanas que os presos se acham", disse o presidente.

O presidente afirmou ainda que donos de tais facções que dominam os presídios tem seus "próprios conceitos", sendo assim, eles fazem o que bem entendem dentro do mesmo, sempre impondo suas próprias regras, preocupando assim a Segurança Nacional.

"Para surpresa nossa, até quando fazem aquela pavorosa matança, o fazem baseado em códigos próprios. Essa questão ultrapassa os limite da segurança para preocupar a nação como um todo", disse Temer. "Há uma preocupação da União com o fenômeno segurança pública, porque ele envolve hoje quase, vamos dizer assim, a própria segurança nacional", completou.

Os melhores vídeos do dia

Após dar inicio ao encontro com os ministros, Temer saiu para receber parlamentares que vieram falar sobre os problemas nos presídios de todo o País, que tem realmente se tornado um caos. #Presídio #2017 #Michel Temer